DESTAQUES

Entregue os movimentos da dança ao cérebro

Marta Relvas 17/05/2017 SAÚDE E BEM-ESTAR
Entregue os movimentos da dança ao cérebro
Fonte: imagem Pixabay
O cérebro 'trabalha' a dança por você

por Marta Relvas

Você gosta de dançar?

Imagine que quando se gira o tornozelo ou o ato de tamborilar os dedos, pular com um pé só exige uma consciência espacial e equilíbrio, além de intenção e sincronismo (habilidades ligadas ao sistema sensório-motor).

O córtex parietal posterior, situado na parte de trás do cérebro, traduz as informações visuais em comandos motores, enviando sinais para a região de planejamento do movimento no córtex motor primário, onde são gerados os impulsos neurais que viajam para a medula espinal e para os músculos, provocando as contrações.

Ao mesmo tempo, os órgãos sensoriais nos músculos mandam uma resposta ao cérebro, dando a orientação exata do corpo no espaço, por meio de nervos que passam pela medula espinal até chegar ao córtex. Os circuitos subcorticais do cerebelo e dos gânglios da base também ajudam a atualizar os comandos motores com base na resposta sensorial e no ajuste de movimentos.

Todos esses movimentos pensados. imaginados e ritmados acontecem devido a uma estrutura localizada no lobo parietal posterior que contém um "mapa" baseado nos estímulos sensoriais do próprio corpo, denominado de região do Preconeus. Graças a ele, a sincronização da dança é possível ser realizada, inclusive insconscientemente quando se recebe estímulos neurais auditivos, juntamente com os movimentos realizados pelo cerebelo.

Enquanto o cerebelo recebe informações do movimento pela medula espinal, o Preconeus recebe informações sensoriais/auditivas. Na hora da música e da dança, ambos se complementam para a coreografia.

Dica:

Entre no ritmo da música através do Preconeus, permtindo que seu cerebelo realize os movimentos da dança e o seu córtex planeje sua coreografia.




TAGS :

    dança, cérebro, preconeus, espinal, córtex

Marta Relvas

É Bióloga, Dra e Ms em Psicanálise, Neuroanatomista, Neurofisiologista, Psicopedagoga e Especialista em Bioética. Tem certificação internacional em Educação na Abordagem Reggio Emília na Itália e Title in Education Neurosciences and childhood and adolescence learning of Erasmus+ University – Europe – Portugal. É Membro Efetiva da Sociedade Brasileira de Neurociência e Comportamento, e da Associação Brasileira de Psicopedagogia. Autora de livros e DVDs sobre Neurociência e Educação pela Editora WAK e Editora Qualconsoante de Portugal. Professora Universitária da AVM Educacional / UCAM, UNESA - RJ e Professora Pesquisadora convidada no curso de Pós-graduação de Neurociência do IPUB/ UFRJ. Coordenadora do Programa de Pós-graduação de Neurociência Pedagógica na UCAM / AVM Educacional. Palestrante no Brasil e no exterior.



ENQUETE

Para você, muitas vezes, ficar no estado de solidão pode significar sinônimo de alegria e liberdade?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2017
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.