DESTAQUES

Atenção plena no momento presente: o nirvana de hoje

Elisandra Vilella G. Sé 10/05/2017 SAÚDE E BEM-ESTAR
Atenção plena no momento presente: o nirvana de hoje
Fonte: imagem Pixabay
Nem todos conseguem desempenhar atividades simples com profunda concentração

por Elisandra Villela Gasparetto Sé
    
A meditação é uma técnica terapêutica que tem sido muito utilizada para melhorar a atenção, diminuir o estresse, amentar a concentração, resolver problemas psicossomáticos, depressão, dependência de nicotina e até mesmo distúrbios de personalidade.

Nos anos 70 o biólogo e médico americano Jon Kabat-Zinn afirmava que não são as condições externas que causam estresse, e sim a forma como a pessoa lida com as situações. A partir de sua experiência com a meditação, Kabat-Zinn desenvolveu um programa de relaxamento com duração de oito semanas, durante o qual o participante deve aprender a manter a atenção plena no momento, sem julgá-lo. Ou seja, não procura atribuir valores a qualquer pensamento, classificando-os como bons ou ruins. A ideia é simplesmente observar com benevolência aquilo que está acontecendo no “agora”. E pelo menos por um instante, abandonar o raciocínio e as emoções, desligar o piloto automático. Aquele que conseguir fazê-lo encontrará paz interior e serenidade, garante o pioneiro da atenção plena, pois a maioria dos sofrimentos psíquicos está escondida nas reações automáticas do dia a dia, das quais praticamente não temos consciência.

Estar atento ao momento presente pode nos ajudar a interrompê-las. Ao final dessa “desautomatização” obteríamos, portanto, um estudo de lucidez e serenidade: uma espécie de nirvana do homem moderno.

Atenção, foco e concentração

Mas o caminho é longo, já que a maioria das pessoas só consegue manter a atenção focada em um objeto por, no máximo, alguns minutos. A mente humana é constantemente invadida por pensamentos do passado e sobre planos para futuro. O tempo todo estamos planejando algo sobre o que faremos nos minutos seguintes, o que nos impede de perceber o momento presente de maneira imparcial. Portanto, exercitar a atenção plena, significa exercitar a concentração na nossa atividade mental.

A redução do estresse prevê o desenvolvimento da atenção e da concentração aumentando seu foco nas atividades e afazeres de rotina. E muitas das estratégias utilizadas para a aumentar a atenção plena é a meditação e a yoga.  

O médico americano Kabat-Zinn propõe a prática da caminhada para o desenvolvimento da atenção. Uma dica é você tentar realizar uma atividade simples de rotina com a maior atenção possível, como por exemplo, pentear o cabelo, passar um café, comer ou até mesmo beber um copo de água. Parecer fácil sair do automático, mas nem todos conseguem desempenhar atividades simples com profunda concentração.

Muitos estudos comprovam a importância das estratégias da meditação para a atenção plena. O autor e psiquiatra Scott R. Bishop da universidade de Toronto, Canadá, afirma ser bem provável que a eficácia da meditação esteja relacionada aos tipos de personalidade, pois depende também que a pessoa esteja disposta a exercitar o autoconhecimento, o contato consigo mesmo.

Estudos provam, pessoas que praticam a atenção plena por meio dos exercícios da meditação adquirem condições de viver melhor, se sentem melhor e mais preparadas para lidar com as situações do dia a dia, diminuindo o estresse, a tristeza, a raiva, os medos e a ansiedade. Tornam-se pessoas mais equilibradas lidando melhor com as emoções.

Dessa forma, a meditação pode ajudar a melhorar a qualidade de vida, a exercitar a autoeficácia, a ultrapassar obstáculos e envelhecer com bem-estar. A sabedoria nasce desse equilíbrio de harmonizar sentimentos e pensamentos. Isso auxilia no autocontrole para viver sem ansiedade e sem estresse. Portanto, sábio é aquele que está disposto a modificar, a se adaptar e a viver um dia de cada vez!




Criteo Publicidade:

TAGS :

    atenção, plena, foco, momento, presente, meditação, estresse

Elisandra Vilella G. Sé

Fonaoudióloga pela Faculdade Tereza D'Ávila de Lorena (FATEA/USC) (1995), Mestre em Gerontologia pela Faculdade de Educação da UNICAMP (2003); Doutorado em Linguística - Área de Neurolinguística pelo Instituto de Estudos da Linguagem da UNICAMP (2011); Especialista em Educação em Saúde para Preceptores do SUS pelo Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Sírio Libanês (2013); foi pesquisadora visitante na Associação Alzheiemr Portugal em Lisboa (2013); Coordenadora da ABRAZ - Associação Brasileira de Alzheimer - sub-regional Campinas e Jaguariúna.



ENQUETE

Qual é o seu meio preferido para expressar suas opiniões políticas?








VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2017
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.