DESTAQUES

Redes sociais: o que se enxerga de fora e o que há lá dentro

Regina Wielenska 12/05/2017 PSICOLOGIA
Redes sociais: o que se enxerga de fora e o que há lá dentro
Fonte: imagem Pixabay
O que vale é manter a lucidez: 1300 amigos, de verdade, ninguém tem

por Regina Wielenska

Nossa sociedade tem estimulado comportamentos exibicionistas. São publicadas nas redes sociais zilhões de fotos e comentários sobre a aparência de cada um, onde foi, com quem esteve, suas compras, seus supostos amigos, os sucessos, as viagens, o parto, a cirurgia plástica, o corte de cabelo, as artes e fofuras dos bichos de estimação, cenas do show, da festa... não dá sequer para classificar as possibilidades. Há quem acompanhe suas postagens inquietamente, a cada minuto, no intuito de ver que repercussão teve. Quantos likes? Alguém criticou? Quem veio ver e deixou registro?

E aí? Parece que essa checagem se correlaciona com a busca de aprovação, admiração  e aceitação social. Desde o advento da espécie humana, surgiu a necessidade de conviver em bandos. Qual a função primordial? Sobrevivência. Divisão de tarefas, proteção contra predadores e agressores, reprodução, cuidados com a prole, estes são alguns dos aspectos básicos que influenciaram o comportamento gregário.

A despeito de quaisquer diferenças individuais, era importante que aquele aglomerado de indivíduos que dependem uns dos outros se relacionasse minimamente bem para que tudo fluísse da melhor maneira em meio a um ambiente hostil. Um excesso de conflitos internos colocaria em risco a vida de alguns ou de todos. Eles tinham que se acertar em algum grau. E assim a posição do outro frente a mim tornou-se vital. E a recíproca também se mostrou verdadeira.

Faz muito tempo que a sobrevivência strictu sensu deixou de ser a questão básica. Nas redes sociais eu busco me conectar a alguém por outros motivos, desde o interesse de divulgar um produto, marca ou serviço, até a conquista de um parceiro afetivo ou sexual. Do interesse em me manter informada sobre a vida alheia, até a vontade de exaltar meus supostos pontos fortes e ocultar minhas falhas, insucessos e fraquezas.

Nada disso é o fim do mundo. Cada um tem suas razões, cuja legitimidade pode apenas ser analisada caso a caso. De minha pequena análise estou deliberadamente excluindo barbaridades como crimes digitais, assassinatos pelas redes, bullying, difamações etc.

Perspectiva psicológica

O que me interessa numa perspectiva psicológica, é refletir sobre o alcance da vida de um indivíduo fora de sua persona digital. Como ele vive e com quem ele se relaciona? Qual a profundidade e riqueza das conexões com as pessoas? Quais seus sonhos, como caminha na direção deles? Que valores norteiam a existência desse indivíduo? Que marcas ele deposita no solo da vida?

Um viver interessante pode mesclar frivolidades com coisas densas, superficialidade com mergulhos em águas profundas. O que vale é manter a lucidez: 1300 amigos, DE VERDADE, ninguém tem. Máscaras sociais, expressas pelas redes, não deveriam nos definir. Julgar alguém, inclusive a nós mesmos, com base em coisas específicas ou fachadas, tende a ser a maior roubada. Reflitam sobre isso, é o que lhes peço.




TAGS :

    redes, sociais, inveja, aparência, sucesso, fracasso, likes, amigos

Regina Wielenska

É psicoterapeuta na abordagem analítico-comportamental na cidade de São Paulo. Graduada em Psicologia pela PUC-SP em 1981, é Mestre e Doutora em Psicologia Experimental pela IP-USP. Atua como terapeuta e supervisora clínica, é também professora-convidada em cursos de Especialização e Aprimoramento. Publicou dezenas de artigos científicos, e de divulgação científica, além de ser coautora de livros infanto-juvenis.



ENQUETE

Um amor verdadeiro pode ser breve?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2017
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.