DESTAQUES

Neurociência explica a agressividade infantil

Marta Relvas 09/01/2017 COMPORTAMENTO
Neurociência explica a agressividade infantil
Fonte: imagem Pixabay
Educar a emoção é a habilidade relacionada com o motivar a si mesmo

por Marta Relvas

A criança não nasce agressiva, torna-se agressiva à medida que recebe estímulos sociais inadequados em relação ao entendimento de suas emoções.

As emoções humanas são uma fonte valiosa de informações que ajudam a tomar decisões, estas são o resultado não só da razão, mas também da junção de ambas, associadas a outras competências emocionais que podem levar ao sucesso. O sistema límbico é a unidade responsável pelas emoções e comportamentos sociais, englobando aprendizagem, memória e motivação.

Atitudes como morder, bater, puxar o cabelo do colega, espetar o amigo com lápis, tesoura, maltratar animais, falar mal com as pessoas, inclusive pais e professores.




A emoção envolve muitos tipos de estados, reações e atitudes mentais desastrosas nos relacionamentos. O ideal sempre será o diálogo e nunca a agressão com a criança. Ou seja, partir para um desenvolvimento cognitivo do pensamento e da reflexão da criança, a fim de provocar um sentimento de compreensão e educação desse estado primitivo de ser.

Para entender melhor

Existem três tipos de modelos emocionais propostos a fim de explicar a base da sensibilidade emocional, todas moduladas pelo sistema nervoso central e periférico.

Veja a seguir:

a - Realimentação visceral ou somática - a reação emocional provoca mudanças corporais. Como por exemplo: aumento de fluxo de adrenalina podendo demonstrar uma fúria para a luta ou briga.

b - Estimulação cognitiva - é quando o estado cognitivo interage com a estimulação para produzir emoção. Diante de uma atitude agressiva usar sempre o ato de pensar para evitar um problema mais grave no contexto da sala de aula.

c - Teorias centrais da emoção - são sustentadas por sentimentos ou emoções subjetivas inteiramente da atividade no sistema nervoso central. As emoções acontecem, porém são rapidamente avaliadas pelo cérebro. A resposta é que todo o sistema nervoso é envolvido na questão da emoção, tanto nas dimensões biológicas, afetivas e emocionais.

A principal função do educador é a integração de informações sensitivo-sensoriais com o estado psíquico interno, onde é atribuído um conteúdo afetivo. Estar atento às emoções e saber lidar com elas na sala de aula.

(...) Educar a emoção é a habilidade relacionada com o motivar a si mesmo e persistir mediante frustrações, controlar impulsos, canalizando emoções para situações apropriadas; praticar gratificações prorrogadas, motivar pessoas, ajudando-as a liberarem seus melhores talentos, e conseguir seu engajamento aos objetivos de interesses comuns. (RELVAS, 2008, p.113).




TAGS :

    criança, agressiva, educador, sistema límbico, cognitivo

Marta Relvas

É Bióloga, Dra e Ms em Psicanálise, Neuroanatomista, Neurofisiologista, Psicopedagoga e Especialista em Bioética. Tem certificação internacional em Educação na Abordagem Reggio Emília na Itália e Title in Education Neurosciences and childhood and adolescence learning of Erasmus+ University – Europe – Portugal. É Membro Efetiva da Sociedade Brasileira de Neurociência e Comportamento, e da Associação Brasileira de Psicopedagogia. Autora de livros e DVDs sobre Neurociência e Educação pela Editora WAK e Editora Qualconsoante de Portugal. Professora Universitária da AVM Educacional / UCAM, UNESA - RJ e Professora Pesquisadora convidada no curso de Pós-graduação de Neurociência do IPUB/ UFRJ. Coordenadora do Programa de Pós-graduação de Neurociência Pedagógica na UCAM / AVM Educacional. Palestrante no Brasil e no exterior.



ENQUETE

Um amor verdadeiro pode ser breve?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2017
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.