DESTAQUES

Ver más notícias na TV não fazem bem

Lillian Graziano 01/01/2016 PSICOLOGIA

por Lilian Graziano


Más notícias na TV - "... além do estresse que assimilam num dia atribulado e cheio de dificuldades, nossos neurônios formam redes nutridas por esse ciclo de enorme negatividade, pessimismo e ansiedade"

Nesses tempos, ver TV é um ato de coragem, tamanhas são as barbaridades que a imprensa nos empurra goela abaixo, tais como crimes, tragédias e corrupção.

É tanta má notícia (e explorada à exaustão), que a gente se sente triste, com medo e, em casos extremos, deprimido e em pânico. Pois, segundo as manchetes, viver, ser feliz... tudo isso é quase impossível. Essa mensagem também vem de fontes como jornais impressos, revistas, rádio e internet, chega em feeds RSS, direto nos tablets e celulares. Nos consultórios psicológicos, quantos não são os casos de transtornos de humor influenciados ou agravados, de certa forma, pelos noticiários?

É claro que a gente deve saber de nossas mazelas, para corrigi-las, reivindicar melhorias, não nos deixar enganar com discursos piegas em meio a visíveis problemas de ordem social, política e econômica. Mas nunca a nossa mídia foi tão democrática como agora, com informações sobre qualquer coisa que possamos imaginar à nossa disposição. O que espanta é que, no entanto, seguimos alimentando esse ciclo dos horrores, das péssimas notícias, que contribui para o adoecimento das pessoas. É assim que, além do estresse que assimilam num dia atribulado e cheio de dificuldades, nossos neurônios formam redes nutridas por esse ciclo de enorme negatividade, pessimismo e ansiedade.

Além de nos informar sobre a miséria humana, é bom também saber que podemos levar uma vida mais leve, com hábitos mais saudáveis, com olhos e ouvidos mais atentos às boas notícias de todo o planeta (porque, sim, elas existem!). Podemos divulgá-las em tempo real, comentar, criar redes para discuti-las, repercuti-las. Essa segunda opção cria mentes mais otimistas, com redes neurais orientadas para esse propósito, com sinapses menos sobrecarregadas pelos neurotransmissores ativados pelo medo, pela tristeza e pelo estresse.

E como é possível ficar livre desse ciclo? Simplesmente escolhendo com critério a programação televisiva, suas fontes na internet, seus canais de rádio e notícias via dispositivos móveis. É triste, mas a exploração do extremo humano é generalizada. Em muitos casos, o dial, as teclas dos computadores, as telas dos celulares e tablets e o controle remoto devem simplesmente ser substituídos pelo botão off. Devemos ditar as regras de um mundo melhor, a começar pelo que lemos, ouvimos e vemos, e depois rumo a outras direções e iniciativas.

Esse ciclo desperta também certa obsessão. Esse comportamento está ligado ao fato de que é comum a ilusão de que se desconectar dessas informações ruins é algo alienante, medida que irá nos deixar desprotegidos das maldades possíveis do mundo, das quais os noticiários nos lembram incessantemente. Alienar-se não é o conselho, mas sim dosar a audiência dos veículos acostumados a picos de telespectadores, internautas e ouvintes diante das más notícias. Isso para que atuem diferente, que enalteçam mais do que o medo e a necessidade de proteção para viver; que destaquem em suas programações, a esperança, as saídas possíveis para os piores problemas da humanidade.

Comum é ainda a espécie de catarse que essas reportagens produzem: o indivíduo exposto pela mídia em situação degradante nos faz lembrar o quanto somos bons (porque nos compadecemos de seus problemas) e o quanto estamos bem (melhores do que ele), o que provavelmente muito contribui para nosso interesse mórbido pela tragédia.  Lembre-se que o referencial, porém, deve ser outro. O ponto em que se quer chegar e estar e o quanto se quer modificar da própria realidade para que ela seja mais feliz.




Lillian Graziano

Diretora dos Instituto de Psicologia Positiva e Comportamento, psicóloga e doutora em Psicologia pela Universidade de São Paulo (USP) com pós-graduação em Psicoterapia Cognitiva Construtivista. Seu doutorado sobre Psicologia Positiva e Felicidade foi a primeira tese brasileira baseada nessa abordagem. Atua há mais de 20 anos na Educação com foco no desenvolvimento de condutas preventivas para os comportamentos humanos disfuncionais. Possui certificação em Virtudes e Forças Pessoais pelo VIA Institute on Character, EUA. Treinou e atendeu centenas de funcionários de grandes organizações tais como: Coca-cola, Basf, Bank Boston, Accenture, British Petroleum, Merrill Lynch, Unilever, dentre outras.



ENQUETE

Você prefere ouvir o quê?







VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2017
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.