DESTAQUES

Adolescentes são capazes de amar?

Anette Lewin 01/01/2016 PSICOLOGIA
Adolescência: idade da formação do eu, não a idade do nós

por Anette Lewin

Resposta: Adolescência é um período da vida cheio de descobertas, novidades, sonhos e paixões.

Já amor... não se pode dizer que é a palavra mais adequada para definir a relação afetiva nessa fase. Exceção feita ao amor platônico, muito comum nesse período, onde o adolescente flerta com o ser perfeito, ideal que pode ser tanto o ídolo famoso quanto o colega de classe. Mas sempre no campo da utopia, raramente no da realidade.

O adolescente ainda não está preparado para enxergar o outro, emocionalmente falando, por uma razão muito simples: está em transição. Vive mudanças diárias em sua cabeça e em seu corpo e não consegue entender muito claramente quem é. Daí vem a projeção da ideia de perfeição numa outra pessoa. "O outro é perfeito, eu ainda não sei quem sou", pensa o adolescente.

Dentro dessa dinâmica, fica fácil entender como as paixões adolescentes que saem do campo platônico e entram no campo da realidade são intensas e até perigosas. Shakespeare, em seu "Romeu e Julieta" descreve muito bem esse perigo. O adolescente apaixonado vê seu parceiro amoroso como essencial, único e insubstituível e não consegue imaginar uma vida sem ele.

A simples ideia de perder essa pessoa soa trágica: se a pessoa amada se for, vão com ela todas as qualidades projetadas; e o que resta é um vazio insuportável para o qual a única solução é a morte. Assim aconteceu com os amantes de Verona de Shakespeare e assim acontece, felizmente, na maioria das vezes no campo simbólico, com os adolescentes apaixonados.

Por outro lado, junto com o sofrimento provocado pela intensidade desmedida dos sentimentos, a adolescência costuma ser o periodo do despertar da sensação amorosa romântica. A Bela Adormecida e a Branca de Neve saem do sono da passagem através do beijo de seus príncipes e certamente veriam neles, se as histórias continuassem, o seu tudo! Pura projeção, já que o outro só é perfeito quando desconhecido.

O adolescente em geral sente-se muito só. É comum vê-lo preenchendo o vazio do seu eu com ideias messiânicas; acredita que o mundo está completamente errado e suas ideias inovadoras irão salvá-lo. Assim, transita da sensação de impotência para a de poder em questão de segundos. No campo das ideias, é claro. No meio desse turbilhão fica difícil um lugar para o amor que exige concentração, cuidado e acolhimento.

Podemos dizer que a adolescência é a idade da formação do eu, não a idade do nós. Muito embora caminhe em grupos, o adolescente se une aos amigos mais para sentir segurança do que para estabelecer trocas. Certamente, se ele passar por essa fase e vivenciá-la com todas as suas peculiaridades, poderá sair preparado para encarar as trocas do amor de forma digna e responsável. Afinal, só é possível cuidar do nós quando se cuidou do eu.

Vya Estelar Responde

Vya Estelar quer colocar você, querido leitor, mais perto ainda de nós. Esse profissional irá responder dúvidas enviadas pelos internautas sobre um determinado tema. A psicóloga Anette Lewin responderá sobre relacionamento amoroso, conflitos na vida a dois e conjugal. Os e-mails serão selecionados e editados de acordo com critério editorial do Vya Estelar, já que não será possível responder a todos. Seu nome e e-mail serão preservados.

ENVIAR PERGUNTA



Anette Lewin

É psicóloga graduada pela PUC/SP. É psicoterapeuta de adultos e adolescentes em consultório particular desde 1975 até a presente data.



ENQUETE

Você é feliz no trabalho?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2017
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.