DESTAQUES

Será que vale a pena se reconciliar?

Rosemeire Zago 01/01/2016 COMPORTAMENTO

por Rosemeire Zago

Após uma separação é muito comum nos lembrarmos muito mais dos momentos bons e esquecermos das causas que fizeram o relacionamento não mais existir.

Dificilmente alguém decide se separar de maneira impulsiva, sem pensar muito, por isso, dificilmente há o arrependimento. Mas depois de analisar alguns fatos, obter algumas respostas, algumas pessoas podem chegar à conclusão que é melhor voltar a um passado infeliz, mas seguro, do que enfrentar um futuro incerto, apesar de quase sempre, muito melhor.

Essa voz que lhe diz para ligar, procurar, passar por cima de suas mágoas e sentimentos, fazendo-o olhar esse passado com lágrimas nos olhos, pode estar apenas representando seu medo de acreditar em si mesmo e ser capaz de superar essa dor. Negar o que está acontecendo ou sentindo, com medo de sofrer demais, não ajudará em nada. Separar-se não significa não haver mais nenhuma possibilidade de voltar atrás e reconciliar-se. Significa simplesmente que por enquanto a relação acabou e esta é a única certeza que possui. Algumas vezes acontece que, depois de uma separação, o casal volte a unir-se, superando as dificuldades e acima de tudo aprendendo com cada uma delas.

Porém, muitas vezes, por carência, solidão, algumas pessoas pensam numa reconciliação, esquecendo-se dos motivos reais que as levaram a tomar tal atitude. Viver na esperança e na expectativa de que isso aconteça pode ser muito destrutivo. Por isso é preciso tomar cuidado com esses momentos de recaída, pois se voltar sem deixar que o tempo lhe traga a certeza de sua atitude, poderá em curto espaço de tempo, estar sofrendo tudo de novo. É essencial viver esse momento como uma verdadeira separação, a fim de que todo o sofrimento tenha algum sentido de ter existido e tenha deixado algum aprendizado, para que assim, algumas mudanças possam ocorrer.

A decisão e o ato de separar-se sempre tem muitos motivos, ninguém toma uma decisão tão séria como essa por motivos banais. É importante lembrar dos motivos que o fizeram tomar tal atitude. Escreva cada um deles e analise-os um por um. Se haviam brigas constantes, desentendimentos, tristeza, traição, a separação não deveria ser vivida como uma sensação de alívio? E se em lugar do alívio, existe a angústia, opressão? Será que isso indica que houve um engano?

Mesmo que a relação não estivesse sendo como gostaria, agora falta uma parte de si mesmo que sentia como se existisse dentro de você e que foi embora, não há mais um ponto de referência que o outro proporcionava. Houve a quebra de vínculos profundos, e quanto mais longa foi a relação e mais intimamente os momentos eram partilhados, mais intensa parece ser a falta que faz. Mesmo quando havia sofrimento durante o relacionamento, infelizmente é muito difícil existir uma separação sem dor.

Parece ser difícil passar despercebido esse momento. Os sentimentos que antes eram possíveis disfarçar, agora parecem ficar mais expostos como nunca. A separação de fato machuca tanto, que na escala das causas de estresse vem imediatamente após a morte de uma pessoa significativa. Tanto isso é verdade que quando esse vínculo é rompido, é necessário um trabalho interior que requer uma enorme quantidade de energia psíquica para recuperar o equilíbrio perdido, tanto que psiquicamente, passamos por um período de luto, da mesma forma de quando perdemos uma pessoa querida pela morte real.

De fato, muitas pessoas têm a sensação de assistir a um enterro, sem flores nem acompanhamentos, no qual se está só com seu luto. Algumas pessoas nesse momento precisam estar na companhia de alguém que as ouçam e suportem com elas sua dor, mas quase sempre a pessoa não se sente uma companhia muito agradável, evitando qualquer contato com outras pessoas, para ter a liberdade de chorar, chorar e chorar. Muitas vezes sequer imaginava que ficaria tão mal e sofreria tanto! Mas ficamos. Algumas pessoas olham fotos de momentos vividos juntos, leem cartas, mensagens que foram trocadas; outras, no entanto, rasgam tudo, querem se livrar de tudo aquilo que as façam lembrar do passado, afinal alguns objetos, fotos, são terríveis testemunhas do que se deseja esquecer.

O que é ideal? Guardar e rever tudo que foi conquistado junto ou se livrar de tudo o mais rápido possível? Faça o que te faça sofrer menos. É comum nos dias seguidos da separação, rever fotos, reler cartas, e-mails e tudo que possa lhe garantir que tudo aquilo existiu de fato, mas prolongar esse período pode trazer muito mais dor. Caso ainda sinta muita tristeza pelo que ocorreu, o mais indicado é colocar tudo numa caixa e deixar guardada até que se sinta mais forte para decidir o que fazer com tudo isso. Tire tudo que puder de sua frente que te faça lembrar esse passado tão recente.

A culpa também é outro sentimento que pode nos fazer querer voltar para refazer o que não fizemos. Algumas pessoas tendem a assumir toda a carga da responsabilidade para si devido ao sentimento de inferioridade ou baixa autoestima, sentindo que não foi capaz de manter a relação; outras tendem agir ao contrário, não se responsabilizando por nada do que ocorreu. Nem sempre a busca por culpados é o melhor caminho, é melhor entender o que aconteceu, evitando apontar o dedo para quem quer que seja. Foram preciso duas pessoas para começar a relação e também para terminá-la, por mais que um dos dois não quisesse que isso ocorresse. Mas não se deixe esmagar por condenações e culpas, com certeza cada um naquele momento fez o melhor que conseguiu fazer.

Ter uma visão clara do que ocorreu não é uma conquista imediata, e para que as primeiras reações emocionais possam ser compreendidas, levará algum tempo. Não é possível determinar quanto tempo, pois cada pessoa reage de maneira diferente, principalmente devido ao seu histórico de vida. Pessoas que quando crianças viveram a experiência do abandono, com certeza encontrarão mais dificuldades para enfrentar esse momento, pois o abandono da infância irá se somar ao atual, podendo fazê-la reviver o último com muito mais intensidade e sofrimento.

Por outro lado, aquelas que viveram uma infância com afeto, sem perdas, terão mais recursos para enfrentar a separação. Seja o que for que esteja sentindo nesse momento, saiba ser compreensivo consigo mesmo como seria com alguém que lhe pedisse colo. Dê a si mesmo carinho, atenção, e ouça cada um de seus sentimentos, sem desprezá-los ou ignorá-los, para que aos poucos comece a elaborar esses sentimentos que deseja nunca mais sentir, obtendo assim condições internas para reconstruir tudo que foi destruído.

Comece a fazer coisas que não fazia mais, coma tudo aquilo que deixou de comer porque o outro não gostava, reveja amigos que não vê há anos, vá a lugares que deixou de ir, procure fazer tudo diferente do que fazia quando acompanhado, ou ainda, respeite seu luto, sua dor, e fique por um tempo só para cuidar apenas de si mesmo. Pense em quantas coisas deixou de fazer, pense como pode ser positivo ter sua liberdade de volta, quanta coisa poderá realizar e que de alguma forma, havia desistido. E nos momentos de tristeza profunda, se quiser, escreva tudo que sentir para que possa colocar para fora, chore tudo que quiser chorar, mas tenha certeza que toda essa dor irá passar, ainda que fique uma cicatriz, ela é necessária para lembrar do quanto foi capaz de superar e aprender. E somente depois de estar de bem consigo mesmo, irá sentir aquela vontade imensa de viver, mas com alguém que te valorize por tudo que você é.

Com certeza, amor não é sinônimo de sofrimento, lágrimas, tristeza, solidão, egoísmo. Amor é acima de tudo transparência, troca, crescimento, e se não foi isso que acontecia, pode ser que aquilo que você chamava de amor, só tinha esse nome porque você não sabia o que era ser amado de verdade, mas você poderá descobrir quando encontrar alguém que em vez de te fazer chorar e sofrer, te faça sorrir e ser simplesmente feliz! Alguém que em vez de fazer ter vontade de morrer, te faça viver!

 




Rosemeire Zago

Psicóloga com abordagem junguiana com especialização em psicossomática. Desenvolve uma abordagem voltada para o autoconhecimento e criança interior.



ENQUETE

Para você, muitas vezes, ficar no estado de solidão pode significar sinônimo de alegria e liberdade?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2017
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.