DESTAQUES

Até onde é permitida a proximidade entre paciente e terapeuta?

Eduardo Ferreira Santos 01/01/2016 PSICOLOGIA
O foco dessa relação é o tratamento do paciente

por Eduardo Ferreira Santos

Gostaria de saber se a paciente pode almoçar com o terapeuta e se o mesmo pode pedir para abraçá-la e colocar músicas tipo Borbulhas de Amor de Fagner durante a sessão para ela ouvir. "A principal característica dessa relação é que ela se baseia no princípio de que o foco seja o tratamento do paciente e não os desejos do terapeuta"

Resposta: A relação terapeuta-cliente impõe uma série de exigências, por mais "aberta" que seja a linha seguida pelo terapeuta.

A principal característica dessa relação é que ela se baseia no princípio de que o foco seja o tratamento do paciente e não os desejos do terapeuta.

É uma relação "verticalizada", isto é, os papéis são bem claros em que um (o terapeuta) é o CUIDADOR e o outro (o cliente) o CUIDADO, como em qualquer relação pai-filho, professor-aluno, médico-paciente.

Em certas linhas de psicoterapia é possível a aproximação do terapeuta, como abraçar ao cumprimentar o paciente, efetuar massagem terapêutica, fornecer informações pessoais, trocar experiências, mas é IMPORTANTÍSSIMO evitar qualquer tipo de ABUSO, particularmente quando envolve questões sexuais.

Acredito, também, que o "setting" terapêutico (sala de consultas) deva ser preservado, de modo que almoçar com o paciente, fora desse setting é algo muito estranho!

De qualquer maneira, cabe ao cliente perceber se a conduta do terapeuta é inadequada e, até mesmo, denunciá-lo ao Conselho responsável, de acordo com sua área de atuação, se for o caso.

 

 

Vya Estelar Responde

Vya Estelar quer colocar você, querido leitor, mais perto ainda de nós. Esse profissional irá responder dúvidas enviadas pelos internautas sobre um determinado tema. O psiquiatra e psicólogo Eduardo Ferreira Santos responderá dúvidas e perguntas sobre os relacionamentos de uma maneira geral, sobre autoestima e conflitos emocionais. Os e-mails serão selecionados e editados de acordo com critério editorial do Vya Estelar, já que não será possível responder a todos. Seu nome e e-mail serão preservados.

ENVIAR PERGUNTA
COMUNICAR ERRO

Eduardo Ferreira Santos

Psiquiatra e psicoterapeuta. Obteve Titulo de Mestre em Psicologia Clínica pela PUC-SP e o de Doutor em Ciências Médicas pela Faculdade de Medicina na USP. Escreveu os seguintes livros sobre relacionamento amoroso: Casamento missão (quase) impossível; Ciúme: O medo da perda; Ciúme: O lado amargo do amor Mais informações: www.ferreira-santos.med.br

ENQUETE

Você acha que um romance iniciado no Carnaval tem chances de dar certo?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2017
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.