DESTAQUES

Saiba como expressar suas aptidões com eficácia

Lillian Graziano 01/01/2016 AUTOCONHECIMENTO
Mostrar nossas habilidades é uma difícil tarefa

por Lilian Graziano

Já falamos neste espaço sobre como ressignificar (veja aqui) nosso trabalho para que ele tenha sentido para nós e traga mais satisfação, conectando-nos com os nossos valores.

Para que isso aconteça, é possível tornar nossas atividades mais atraentes, identificar ações com as quais temos mais afinidade, dentre outras medidas para transformar nossos afazeres em algo gratificante.

Afinal de contas, já chega a dois terços de nosso dia útil (período em que estamos acordados) o tempo dispendido ao labor e à profissão.

Reflexão para obter mais satisfação em suas atividades

Sendo assim, atenho-me, de forma mais prática, a alguns passos e perguntas que ajudarão nessa mudança e os quais podem ser conduzidos e respondidos à luz da Psicologia Positiva. Pergunto:

- Você sabe no que é bom em sua rotina laboral?

- Você consegue se dedicar àquilo em que é bom?

- Você consegue mostrar às pessoas o quanto é bom nisso?

- Você consegue interagir com os outros levando em conta aquilo em que é bom e aquilo que o colega faz de melhor?

Para responder à primeira pergunta, é possível recorrer ao nosso inventário de forças pessoais (veja aqui) para identificar nossos principais recursos para vida e trabalho. No uso desse inventário, verifique quando e como utiliza suas principais forças - provavelmente são esses os momentos em que você é mais bem-sucedido no que faz e se sente confortável.

Motivação no trabalho

É preciso nesse exercício fazer ainda outras perguntas:

O que o(a) motiva no trabalho?

Ter ideias?

Executá-las?

Colaborar com os demais?

Saber tudo isso o(a) deixará seguro(a) para planejar e executar a transformação proposta.

Respondendo à segunda questão, é possível que identifique que não esteja conseguindo se dedicar àquilo em que é bom, exercitar as suas forças e habilidades. Talvez seja necessário um diálogo aberto com equipe ou gestores para que as tarefas sejam melhor distribuídas, para que seu potencial para determinadas ações fique evidente. Não obstante, você pode aumentar o uso de suas forças pessoais, gradativamente, nas tarefas e funções até então designadas a você buscando e identificando oportunidades para exercitá-las.

Mostrar às pessoas as suas forças e habilidades (e, acima de tudo, o resultado positivo de sua aplicação) talvez seja a tarefa mais difícil nesse roteiro de medidas para obter mais satisfação no trabalho. Vale lembrar que a humildade está não em subestimar o próprio sucesso e as próprias habilidades, mas muito mais em não menosprezar o sucesso e a capacidade dos outros. Sendo assim, melhor é deixar claro para todos as suas qualidades e o quanto você foi bem-sucedido em utilizá-las, identificando o quanto isso também foi bom para a empresa.

O trabalho em equipe possibilita um ciclo positivo, cujo limite será o da cultura de sua empresa em permitir que esse se desenvolva. No seu processo de autoconhecimento e exercício das forças pessoais, dialogue com os colegas no sentido de que todos possam trabalhar naquilo que fazem melhor, com prazer e gratificação. Esse é o mote de uma verdadeira gestão por competências, formando um time apto não pela compensação mútua de gaps (pontos fracos) entre seus membros ou pela superação individual de possíveis deficiências. A aptidão nesse caso é criada pelo cultivo da excelência com cada integrante do time, utilizando seus melhores recursos para fazer o seu melhor.

Vale lembrar que todo esse caminho ainda propicia, além do aumento do nível de flow (veja aqui) e satisfação, a oportunidade de mostrar o quanto você é capaz de conduzir sua equipe, ainda que não seja um gestor, a um ciclo de excelência, de influência positiva, com o desenvolvimento de emoções positivas no ambiente de trabalho. É a liderança despontando, ainda que você nunca tenha identificado em si a capacidade para liderar.

Isso posto, resta ainda uma pergunta: que tal começar já esse processo no qual você e sua empresa só têm a ganhar?

COMUNICAR ERRO

Lillian Graziano

Diretora dos Instituto de Psicologia Positiva e Comportamento, psicóloga e doutora em Psicologia pela Universidade de São Paulo (USP) com pós-graduação em Psicoterapia Cognitiva Construtivista. Seu doutorado sobre Psicologia Positiva e Felicidade foi a primeira tese brasileira baseada nessa abordagem. Atua há mais de 20 anos na Educação com foco no desenvolvimento de condutas preventivas para os comportamentos humanos disfuncionais. Possui certificação em Virtudes e Forças Pessoais pelo VIA Institute on Character, EUA. Treinou e atendeu centenas de funcionários de grandes organizações tais como: Coca-cola, Basf, Bank Boston, Accenture, British Petroleum, Merrill Lynch, Unilever, dentre outras.

ENQUETE

A pochete masculina dos anos 90 está voltando... Isso é brega?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2017
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.