DESTAQUES

Estratégias para vencer a tensão, o medo e ter bom desempenho

Renato Miranda 01/01/2016 SAÚDE E BEM-ESTAR
O medo é uma emoção natural e procurar afastá-lo pode gerar uma força antagônica

por Renato Miranda

Já escrevi algumas vezes que competição sem tensão não tem graça. Uma competição em que são baixos os níveis de tensão tende a gerar apatia entre os atletas e não envolver a plateia.

O problema é quando a tensão é exacerbada. Nesse caso, a aflição invade a mente do atleta, há ansiedade excessiva, a concentração é perturbada e o medo se instala na mente do atleta o que, consequentemente, acarreta outras reações negativas como o nervosismo, intranquilidade e falhas nas tomadas de decisões.

A importância em vencer (o valor que todos nós damos à vitória e, naturalmente a consagração), a preocupação com aqueles que possam frustrar esse desejo dos atletas, ou seja, os adversários e as projeções (expectativas) do rendimento é a origem do medo. O medo de perder!

O medo é uma emoção natural e procurar afastá-lo pode gerar uma força antagônica que só fará aumentar ainda mais esse sentimento. Por isso, aceitá-lo e transformá-lo em uma força própria é a melhor solução. Para isso é preciso saber as causas do medo e procurar solucionar todas as questões (as causas!) de origem do mesmo. Essas questões são primárias, próximas do atleta, mas ao mesmo tempo não são observadas com carinho.

Inicialmente o atleta deve se perguntar:

1) Treinei bem para essa competição?

2) Minha força psicofísica está mobilizada (melhor nível da capacidade física, mental e emocional)?

3) O desafio (competição) está em um nível compatível com meu potencial atlético geral?

4) Tenho consciência de meus limites?

A partir dessas questões e suas boas respostas o atleta começa a criar uma força de administração positiva do medo e passa a enfrentar a competição livre da ameaça dos resultados negativos e do medo das frustrações. Logo a seguir o atleta poderia construir sua estratégia pessoal para um ótimo desempenho. Essa estratégia se baseia nos seguintes passos:

Estratégia para bom desempenho

a) Liberdade da vitória: significa atuar esportivamente com todo o potencial em nível máximo e ao mesmo tempo não pensar em vencer como um exercício mental ou uma fixação, mas pensar na melhor maneira de executar a tarefa a ser feita a cada instante.

A vitória é uma consequência dos esforços e das circunstâncias competitivas. Muitas vezes o atleta tem de aceitar a superioridade do outro ou mesmo entender circunstâncias diversas que podem o afastar da vitória: erro da arbitragem, um lance fortuito, uma falha inesperada e outras contingências.

Por outro lado, uma derrota pode ser o alicerce fundamental para uma outra conquista ainda maior em um futuro próximo.

Um atleta livre é aquele que faz de tudo para ser o melhor, através de seu esforço com alegria em treinar e competir. Alem disso, se diverte mesmo em condições de grande esforço e pressão. Vencer é o que mais almejam os atletas de alto nível, todos sabem disso. Se for tão notório assim, vale o atleta perguntar: Por que pensar sobre algo que já sei? Pensar (para descobrir) o caminho que leva a vitória é o passo definitivo para atuar tranquilo, com a “mente limpa” e sem medo de se frustrar.

b) Força e relaxamento: Para ser forte diante do adversário e todas as circunstâncias que envolvem uma competição o atleta necessita estar relaxado para reunir com calma todas as suas forças, sem tensão excessiva e nervosismo. Observe (em qualquer esporte) como os grandes campeões demonstram serenidade e ao mesmo tempo uma combinação de força e velocidade (potência) máximas. Ademais, a expressão tão conhecida “força da mente” é o resultado de uma grande capacidade de concentração. E isso só é possível com uma boa condição de relaxamento. A manifestação de uma grande força é o produto de uma mente relaxada.

No próximo texto outras diretrizes somadas a essas formam uma ótima estratégia pessoal para a vitória sem medo.

COMUNICAR ERRO

Renato Miranda

Professor da Faculdade de Educação Física da UFJF; Mestre e doutor em Psicologia do Esporte (UGF); Especialista em didática e psicologia do esporte na Alemanha (Escola Superior de Esporte Alemã - Colônia) e Rússia (Instituto de Cultura Física de Moscou); Consultor de atletas em psicofisiologia (concentração, estresse. motivação e flow-feeling).

ENQUETE

A pochete masculina dos anos 90 está voltando... Isso é brega?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2017
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.