DESTAQUES

É preciso associar o processo de aprendizado ao funcionamento do cérebro

Marta Relvas 01/01/2016 COMPORTAMENTO

por Marta Relvas

Segundo estudos postulados pelo psicólogo russo Vygotsky (1896-1934), as funções psíquicas humanas estão intimamente articuladas ao aprendizado, à apropriação do legado cultural de seu grupo por mediação da linguagem.

Assim o indivíduo se constitui como tal, não apenas pela maturação orgânica, mas também pela internalização de um patrimônio material simbólico.

Sendo assim, a escola desempenhará bem o seu papel quando for capaz de ampliar e desafiar a criança à construção de novos conhecimentos, incidindo, para tanto, nas zonas de desenvolvimento potencial ou proximal (momento em que o aprendizado ainda não se consolidou e exige a intervenção de outro indivíduo no processo de aprender) e a real (capacidade de desempenhar tarefas sem necessidade de outro indivíduo, ou seja, a aprendizagem consolidada) de cada educando.

A escola deve, portanto, ser capaz de desenvolver em seus estudantes capacidades intelectuais que lhes permitam assimilar plenamente os conhecimentos acumulados. Portanto para o teórico, a aprendizagem está atrelada ao desenvolvimento orgânico e psíquico.

Segundo, o pensador suíço Jean Piaget (1896-1980), o pensamento da criança se forma totalmente desvinculado do processo de aprendizagem escolar. Ou seja, o desenvolvimento se dá em etapas e com a maturação das funções cognitivas, antes mesmo da criança extrair da escola certos hábitos, conhecimentos e informações, não havendo, portanto, uma mão dupla entre essa maturação do desenvolvimento e a aprendizagem, ou seja, se aprende mesmo sem ir para a escola.

E para a ciência, a influência de um ambiente rico em estímulos favorece o aumento do peso e da espessura do córtex cerebral, então, em contrapartida, a escola deve ser a fonte geradora de estímulos.

Diante do exposto, percebe-se a premência em associar o processo de aprendizado e desenvolvimento humano ao funcionamento do cérebro e à sua plasticidade.

Os neurocientistas estudam cientificamente o cérebro, considerando-o sede própria do aprendizado e os educadores exercem suas funções enfrentando, além de uma grande relação entre a complexidade orgânica, psíquica e social, um educando que nem sempre partilha dos seus objetivos pedagógicos e, em sua grande maioria, não possui ferramentas adequadas para realizar o seu melhor sonho, o ensinar.

Todas essas reflexões tiveram como intuito maior a compreensão e, ainda que minimamente, contribuir na discussão e na procura de respostas de como instrumentalizar o professor que, por meio do conhecimento interdisciplinar dos teóricos e da ciência, reconheça que as conexões neurais e a plasticidade neural envolvem o processo da aprendizagem, que é vital para o desenvolvimento humano.

Por meio da aprendizagem, o indivíduo constrói e desenvolve os comportamentos que são necessários para sua sobrevivência, pois não há realizações ou práticas humanas que não resultem do aprendizado.

COMUNICAR ERRO

Marta Relvas

Professora, Bióloga, Neurobióloga, Psicopedagoga, Pós Graduada em Anatomia Humana, Especialista em Fisiologia Humana, Bioética Aplicada e Didática do Ensino Superior. Pesquisadora na área de Biologia Cognitiva e Aprendizagem. Membro associada da Sociedade Brasileira de Neurociência e Comportamento. Autora dos Livros: Fundamentos Biológicos da Educação – Desenvolvendo inteligência e afetividade na aprendizagem, editora WAK. 5° edição.

ENQUETE

Você consegue cumprir as resoluções de ano novo?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2017
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.