DESTAQUES

Quem bebe e fuma: o ideal é largar os dois vícios ao mesmo tempo?

Danilo Baltieri 01/01/2016 SAÚDE E BEM-ESTAR
Álcool e nicotina atuam no cérebro de forma sinérgica

por Danilo Baltieri

"Meu marido é dependente de álcool e fuma bastante. É possível parar as duas drogas ao mesmo tempo, ou ele deve tentar parar uma e depois a outra?"

Resposta: Se, de fato, o seu marido for portador de Síndrome de Dependência de Álcool e de Nicotina, ele apresenta dois problemas que precisam ser resolvidos.

Realmente, os alcoolistas constituem um dos grupos com maior risco de uso intenso de cigarros. A prevalência de consumo de cigarros entre alcoolistas que procuram tratamento médico pode chegar a 80%. Dependentes de álcool comumente fumam bastante; além disso, os dependentes de álcool que fumam costumam beber mais do que os alcoolistas que não fumam.

Muitos pacientes dependentes de álcool acabam relatando que, durante o tratamento da dependência de álcool, enquanto tentam cessar o consumo da bebida, o uso de cigarros aumenta, até mesmo como uma forma de lidar com a fissura relacionada com o álcool. Também é verdade que o álcool e a nicotina atuam no cérebro de forma sinérgica, tanto que os bebedores fumantes bebem mais do que aqueles que bebem e não fumam, e bebedores fumantes fumam mais do que aqueles que fumam e não bebem. Além disso, o risco à saúde proveniente da combinação do uso inadequado de álcool e de cigarros é 50% maior do que a soma dos riscos independentes do uso de álcool e de cigarros.

Embora alguns alcoolistas fumantes em tratamento médico não desejem parar de fumar, vários estudos têm afirmado que muitos desses pacientes consideram a possibilidade da cessação dual viável. Infelizmente, alguns programas de tratamento médico e psicossocial existentes têm sido relutantes para promover a cessação do uso de cigarros entre alcoolistas fumantes, presumivelmente por causa da carência de interesse dos próprios pacientes no manejo dos dois consumos inadequados.

Apesar das afirmações acima, também existem evidências mostrando que a privação de nicotina durante o tratamento de pacientes dependentes de álcool está associada com um aumento na fissura pelo álcool.

É possível cessar ambas drogas ao mesmo tempo

De qualquer forma, o tratamento de alcoolistas fumantes é possível, propondo a cessação de ambas as drogas. Certamente, os profissionais especializados devem propor ao paciente a cessação dupla e, quando possível, sempre com a colaboração do paciente, tratar ambas as condições ao mesmo tempo. Existem estudos que demonstram que algumas medicações podem auxiliar tanto na redução da fissura pelo álcool quanto na fissura pela nicotina, o que poderia consistir em uma proposta médica bastante atraente nesses casos. É também importante ressaltar que os alcoolistas constituem uma população altamente heterogênea; portanto, a individualização das propostas terapêuticas é uma necessidade durante toda a abordagem médica e psicossocial.

Abaixo, recomendo a leitura de um artigo científico que versa sobre o tema:

Baltieri DA, Daro FR, Ribeiro PL, Andrade AG. Effects of topiramate or naltrexone on tobacco use among male alcohol-dependent outpatients. Drug Alcohol Depend 2009;105(1-2):33-41.

Atenção!
As respostas do profissional desta coluna não substituem uma consulta ou acompanhamento de um profissional de psiquiatria e não se caracterizam como sendo um atendimento.

Vya Estelar Responde

Vya Estelar quer colocar você, querido leitor, mais perto ainda de nós. Esse profissional irá responder dúvidas enviadas pelos internautas sobre um determinado tema. O psiquiatra Dr. Danilo Baltieri responderá questões ligadas à dependência química e vícios: drogas, álcool, cigarro e psicotrópicos. Os e-mails serão selecionados e editados de acordo com critério editorial do Vya Estelar, já que não será possível responder a todos. Seu nome e e-mail serão preservados.

ENVIAR PERGUNTA
COMUNICAR ERRO

Danilo Baltieri

Médico psiquiatra. Mestre e doutor em Medicina pelo Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Atualmente é coordenador geral do Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas do Instituto de Psiquiatria da FMUSP (GREA-IPQ-HCFMUSP).Tem experiência em Psiquiatria Geral, com ênfase nas áreas de Dependências Químicas.

ENQUETE

Relação aberta ajuda a reacender o romance?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2017
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.