DESTAQUES

Se não estiver apaixonada, não tenho motivação para nada. O que faço?

Anette Lewin 01/01/2016 COMPORTAMENTO
Processo de conquista te mobiliza

por Anette Lewin

"Não tenho motivação para nada quando não estou apaixonada ou sendo amada por um homem que eu deseje. É possível mudar esse padrão de comportamento?"

Resposta: Você transformou a paixão por um homem no único combustível para agitar sua vida e está se sentindo prisioneira da armadilha que criou.

Desconfortável por um lado, mas, como foi você que se organizou dessa forma, é possível mudar sim!

Chama atenção o fato de você dizer no e-mail que só se sente motivada quando "está apaixonada" ou " está sendo amada por um homem que deseje".

Entende-se que você se sente motivada para a vida quando está envolvida no processo de conquista de alguém que você quer, ou quando consegue conquistar a pessoa que deseja, como se essa pessoa fosse um troféu. O que não fica claro é como a história continua depois que você conquistou ou foi conquistada. Porque pelo seu e-mail, parece que você não tem um relacionamento estável, ou seja, nenhuma dessas conquistas durou muito.

Será que, então, para você, motivador mesmo é a insegurança das novas relações e a coleção de troféus amorosos?

Será que você canaliza todas as suas necessidades de conquista e de posse para a conquista de um homem?

Se for assim, se você não se se sente confortável com esse padrão de comportamento, e se conquistar é o grande motivador da sua vida, talvez valha a pena começar, num primeiro momento, a canalizar sua necessidade de conquista para outras fontes, diferentes da conquista amorosa. Pode-se conquistar amigos, melhores empregos, mais conhecimento, enfim, os novos desafios não estão necessariamente ligados à paixão amorosa!

Motivar-se apenas por um tipo de atividade pode, dependendo do grau, ser classificado como um comportamento patológico, o TOC (transtorno obsessivo compulsivo). É como um vicio que aprisiona a pessoa, mas nunca a satisfaz por mais do que um curtíssimo período. Nesse sentido, talvez valha a pena você tentar enxergar que pode existir prazer na estabilidade também; que você, após conquistar ou ser conquistada por alguém, pode construir excelentes momentos com essa pessoa na calmaria do cotidiano; que a liberdade de estar sozinha consigo mesma pode ser melhor do que a obrigação de ficar sempre correndo atrás de alguém; e que, colecionar troféus amorosos a longo prazo pode inflar seu ego, mas nunca preencherá seu vazio.

O direcionamento de sua energia para novas fontes pode não ser uma tarefa muito fácil mas, ao começar qualquer novo processo de conquista, você deveria dar uma paradinha para saber quem é a pessoa pela qual você está encantada, o que ela pode oferecer a você, para que você a quer ao seu lado... Enfim, fugir do querer por querer, para uma escolha mais consciente... Certamente, você estará transformando a paixão difusa em uma conquista mais focada. E evitará cair na tentação de se apaixonar só para se sentir apaixonada!

Vya Estelar Responde

Vya Estelar quer colocar você, querido leitor, mais perto ainda de nós. Esse profissional irá responder dúvidas enviadas pelos internautas sobre um determinado tema. A psicóloga Anette Lewin responderá sobre relacionamento amoroso, conflitos na vida a dois e conjugal. Os e-mails serão selecionados e editados de acordo com critério editorial do Vya Estelar, já que não será possível responder a todos. Seu nome e e-mail serão preservados.

ENVIAR PERGUNTA



Criteo Publicidade:

Anette Lewin

É psicóloga graduada pela PUC/SP. É psicoterapeuta de adultos e adolescentes em consultório particular desde 1975 até a presente data.



ENQUETE

“Nada mais indigesto para o mundo que a liberdade de uma mulher", diz Fernanda Young. Você concorda?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2017
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.