DESTAQUES

Ela tem muito apetite sexual e eu não dou conta. O que eu faço?

Sandra Vasques 01/01/2016 COMPORTAMENTO

por Sandra Vasques

"Tenho 39 anos, minha esposa 26. Ela tem muito apetite sexual, porém não estou dando conta do recado. Acho que não tenho muito desejo sexual. É possível tomar algum medicamento para aumentar este desejo?"

Resposta: Vamos começar pelo final de sua pergunta. A diminuição do desejo sexual pode sim ser causada pela diminuição da quantidade normal de testosterona, hormônio responsável por esta e outras várias atividades no nosso organismo. Mas isso não é esperado em sua idade, já que é a partir dos 40 anos que, naturalmente, tem início uma queda lenta, pequena e gradual – cerca de 1% ao ano - dos níveis de testosterona, que a princípio não afetam o desempenho sexual.

Isso pode acontecer com maior frequência em homens com mais de 50 anos e mesmo assim, não é comum. No entanto, pesquisas têm apontado alguns outros fatores como estresse, depressão e cansaço persistentes, que podem desencadear uma diminuição desse hormônio nas variadas faixas etáreas. É necessário dizer, que esses fatores, mesmo sem a diminuição da testosterona, já podem diminuir a vontade de fazer sexo. Algumas alterações no organismo também podem alterar os níveis de testosterona e devem ser pesquisadas.

Assim, tanto a saúde geral, como a necessidade de reposição hormonal, devem ser avaliadas por um médico. Ele, a partir do histórico e das queixas do cliente e do resultado de vários exames, se constatada uma baixa da testosterona, indicará uma reposição. Jamais tome hormônios sem orientação médica, o que pode prejudicar e muito a sua saúde.

Diferença de ritmo sexual é comum entre os casais

Mas é preciso olhar mais de perto para a sua hipótese de diminuição de desejo, pois talvez a causa seja outra. Vocês sempre tiveram esse ritmo, com ela querendo sexo mais frequentemente que você ou isso começou agora? Muitos casais enfrentam essa situação, um tem mais vontade de transar que o outro, como por exemplo, um quer todo dia, ou quase, e o outro duas vezes por semana. Essa situação começa a gerar conflitos e um começa a reclamar do outro dizendo que não há compreensão, cada um olhando para o seu lado da história.

Na realidade, o que pode existir é uma diferença de ritmo, que pede a busca de um equilíbrio para que a satisfação volte a reinar na vida do casal. Nesse caso, sua esposa poderia ceder um pouco, valorizando mais os momentos que envolvam outras trocas de carinhos e outras atividades gostosas que vocês possam realizar juntos ao invés de sexo todos os dias. Por outro lado, você poderia se interessar mais por sexo, independente dos momentos em que está junto com sua companheira, reservar alguns momentos para imaginar fantasias que você possa concretizar ou não com sua parceira, ler contos eróticos, assistir mais filmes com cenas sensuais e eróticas.

Enfim, deixar o sexo fazer mais parte do seu dia a dia, o que pode levá-lo a ter vontade de fazer sexo com maior frequência. Assim, vocês poderiam alcançar um equilíbrio. Mas se a diminuição da freqüência começou repentinamente, é bom também lembrar se houve algum fato que te deixou chateado, magoado ou inseguro em relação à parceira. Esses sentimentos mal resolvidos também podem levar a uma diminuição do desejo. Avalie a partir dessas dicas, quem você deve procurar, se é um médico, ou sua parceira para terem um bom papo e tentarem acertar o ritmo.

Sandra Vasques

Psicóloga, enfermeira, com especialização em sexualidade humana e formação em psicodrama. É orientadora sexual, atuando no Instituto Kaplan – Centro de Estudos da Sexualidade Humana - desde 1993. Leciona cursos de formação de educadores e terapeutas sexuais e atua como congressista. Co-autora dos materiais educativos Jogo de corpo, Aprendendo a viver; Vale sonhar, Valores em jogo e do Manual de atenção a educação sexual de crianças e adolescentes portadores do HIV - Viver Positivamente.

ENQUETE

O Brasil tem jeito?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2017
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.