DESTAQUES

Mascarar a realidade nos distancia das soluções

Roberto Goldkorn 01/01/2016 COMPORTAMENTO

por Roberto Goldkorn

Um grande guru, estava fazendo a sua peregrinação anual de aldeia em aldeia na Ìndia, e em cada aldeia, parava, fazia um sermão, abençoava algumas pessoas, curava, recebia a sua porção de arroz, e ia embora. Num desses discursos, um menino que o estava ouvindo por mais de três horas, começou a puxar o sari da mãe e impaciente pedindo:

- Mãe eu quero mijar, mãe eu quero mijar.

A mãe devota e fã de carteirinha, do guru, nem pensava em arredar pé dali. Mas a bexiga do filho não entendia dessas coisas do espírito e mandava ordens de urgência para o pequeno cérebro. O guru acabou perdendo a elegância védica e interrompeu seu discurso para dar uma demonstração de sua infinita sabedoria ao vivo. Num tom severo ensinou:

- Minha filha, você deve educar melhor o seu menino. Ensine a ele a trocar expressões chulas, por outras menos ofensivas aos ouvidos dos outros. Por exemplo, toda vez que ele quiser fazer essas necessidades, ensine-o a dizer:mãe quero cantar.

A devota ficou em êxtase com tamanha demonstração de sapiência. No ano seguinte, quando o guru voltou a aldeia do acontecido, devido as fortes chuvas acabou tendo que dormir numa das casas da aldeia. Adivinhe qual foi, exatamente, a do menino da bexiga impertinente do ano anterior. Mas quis o destino que a mãe do menino tivesse que sair para atender a uma parturiente em trabalho de parto (ela era parteira, é claro), e deixou o menino dormindo junto com o velho sábio.

Lá pelas tantas o menino acorda e pede ao portentoso guru, "prabhu (assim eles chamam os mestres lá), eu quero cantar. O velho sábio acorda exausto, sem entender nada, e pensa... "Esse menino é maluco...

- Vá dormir menino, isso lá é hora de cantar.

O menino assustado obedeceu. Mas passada meia hora a coisa ficou mais complicada e premido, ou seria espremido, pela sua bexiga, ele voltou a acordar o mestre:

- Prabhu, por favor eu preciso cantar, me leva lá fora pra eu cantar.

As habitações das aldeias dificilmente têm banheiros internos, na verdade nem mesmo externos. O guru já prabhu da vida, perde a paciência sânscrita e grita com o garoto, que assustado volta a sua cama. Mas uma hora depois já em desespero, as primeiras gotas escapando furtivamente, o menino chorando vai até a cabeceira do mestre e implora:

- Por favor, pelo amor dos trezentos e quarenta e nove deuses, me deixa cantar, eu não estou agüentando mais.

Ao que o guru também exausto com aquela batalha cede, e só impõe uma condição.

- Está bem, mas lá fora não, canta aqui mesmo no meu ouvido..."

Essa história não tem moral, nem por isso é imoral, é só para nos lembrar, que por piores que sejam os nomes, por mais que doam em nossos ouvidos delicados, devemos dar as coisas os seus nomes. Mascarar a dura realidade das coisas, ou por ingenuidade, ou por malandragem, só vai nos distanciar mais das soluções e das respostas certas aos problemas e desafios.

Portanto quem quiser mijar que mije, quem quiser cantar que vá pro karaokê.




Criteo Publicidade:

Roberto Goldkorn

É escritor e autor dos seguintes livros: "Feng Shui para Brasileiros - A Medicina da Habitação", "Feng Shui - Energia e Prosperidade no Trabalho", "Feng Shui Para Brasileiros - A Cozinha" - todos pela Editora Campus. "Não Te Devo Nada" e "Solidão Nunca Mais" ambos pela Bertrand Brasil.



ENQUETE

“Nada mais indigesto para o mundo que a liberdade de uma mulher", diz Fernanda Young. Você concorda?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2017
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.