DESTAQUES

Nossa mente gosta de complicar a vida

Emilce Shrividya Starling 01/01/2016 COMPORTAMENTO
A mente não gosta de ensinamentos simples

por Emilce Shrividya Starling

A essência dos ensinamentos do Yoga é despertar o amor dentro de nós.

Para experimentarmos paz e liberdade em nosso interior, precisamos quebrar nossas barreiras e limitações para viver em harmonia e estar abertos para compreender os outros.

Para sentirmos o amor interior, é necessário romper com nosso entendimento errôneo, inibições, apegos, hábitos nocivos, aversões, compulsões e as falsas ideias sobre nós mesmos.

Você deve estar se questionando:

- Como conseguir realizar tudo isso?

- Como me amar, com meus defeitos e imperfeições?

- Como me aceitar e, ao mesmo tempo, mudar a mim mesmo para melhor?

- Como me libertar de vícios, como cigarro, bebida e da compulsão por comer demais e outros hábitos ruins?

- Como me desapegar das pessoas e coisas para não sofrer?

- Como gostar das pessoas, mesmo sentindo aversão ou mágoas?

Bem, os ensinamentos do Yoga são muito simples e realmente funcionam se aplicarmos na nossa vida. Mas, nossa mente é muito complicada. Nosso ego negativo tem complicado tudo devido ao entendimento errado, falsos conceitos, orgulho e falta de humildade.

A mente não gosta dos ensinamentos simples, pois gosta de complicar, e muitas vezes, prefere sofrer inutilmente por orgulho em vez de reconhecer os erros e aprender.

Às vezes, alguém diz algo de maneira espontânea, querendo ajudar, mas o outro distorce as palavras, se ofende sem motivo, guarda mágoas. E assim os conflitos e discussões são gerados nas famílias, nas amizades e no trabalho.

Isso acontece devido ao nosso condicionamento desde criança, quando nossa estrutura limitada do ego foi se tornando complexa devido à rigidez mental com emoções e sentimentos de rejeição, baixa autoestima e raiva acumulada.

Precisamos romper com a rigidez da mente que nos faz sofrer. Precisamos aprender a sermos flexíveis para fluir com o que é novo, nos abrirmos para aprender coisas novas e aceitar as mudanças que acontecem. Sem isso, a maturidade e o crescimento pessoal são impossíveis.

Vivenciar a Filosofia do Yoga não é uma questão de acreditar com fé cega ou mesmo concordar ou aceitar os ensinamentos sem contemplações. O Yoga nos ensina a ter nossa própria experiência, a compreender nosso processo interior e o que acontece em nós.

Quando praticamos os vários ramos do Yoga, como Meditação, Raja Yoga, Mantra Yoga, Hatha Yoga, Bhakti Yoga (yoga devocional)... uma das primeiras coisas que acontecem é um despertar interno.

Se estivermos abertos, se formos receptivos, se estivermos prontos e praticarmos com disciplina, constância e motivação, realmente experimentamos um despertar dentro de nós. Nós nos abriremos para um conhecimento intuitivo e sentiremos mais amor por nós mesmos e pelo outro. Enfim, teremos mais sabedoria e entendimento.

Um importante requisito para praticar Yoga é uma aspiração sincera para conhecer e experimentar a Verdade e o Amor Incondicional do Ser interior que habita em nós.

A essência da Filosofia do Yoga é que uma Consciência divina penetra e permeia todo o universo e existe em cada um de nós. Essa Consciência é Deus, o Absoluto, o Criador, o Ser interior.

Praticamos Yoga para reconhecer e acender essa chama divina e ficarmos firmemente estabelecidos no Ser interior. E assim encontrarmos apoio, bondade, proteção, alegria independente e luz dentro de nós.

Com as práticas regulares do Yoga compreendemos que existe um só Deus e que nós compartilhamos do mesmo Ser interior, que é Deus em nós. Desse modo, quando realmente conhecemos o nosso Ser, podemos reconhecê-Lo também nos outros.

Como disse o grande Mestre yogue Baba Muktananda: “Deus habita em você, como você, para você”. “Veja Deus em cada um”.

E esse grande Mestre dizia para que não ofendêssemos a ninguém, não magoássemos nenhum coração, pois Deus habita em cada coração.

Essa mesma Consciência divina anima toda a natureza, todas as formas e seres, dando vida, inteligência, sabedoria e sentimentos.

Para compreendermos isso melhor, o Yoga diz em uma maneira simbólica que o Ser interior é como um oceano e todas as formas e seres desse mundo são apenas gotas na superfície desse oceano. Porém, essas gotas são feitas da mesma água e são parte do mesmo oceano.

O Ser interior está além das polaridades desse mundo e do jogo dos opostos. Ele é imortal, puro, imaculado e não é afetado por essas polaridades e impurezas da mente humana. O Ser interior é a nossa verdadeira e eterna natureza.

Podemos ter a experiência do Ser interior através do êxtase de cantar o nome do Senhor, de cantar mantras, que são sons divinos. Ou quando mergulhamos em estados profundos de meditação ou relaxamento. São momentos preciosos e podemos sentir que o Ser interior existe dentro de nós como um sorriso interior.

Quando deslizamos para esses estados profundos, a sensação é o amor. Os sentimentos são de paz e de contentamento. E esses sentimentos do amor divino geram nossas experiências de bom humor, de divertimento, de alegria, de coragem e de confiança em nossa vida diária.

Como um exercício, comece a ver a mesma Consciência em todos, e a sentir amor por essa Consciência divina tanto em você como em todas as outras pessoas. É um processo de evolução espiritual. E, cada dia , você vai desenvolvendo mais paciência, bondade e boa vontade de servir de maneira altruística, com compaixão. Fique em paz! Namastê: Deus em mim saúda Deus em você!

Emilce Shrividya Starling

É formada em Yoga pela Federação de Yoga do Brasil e Centro de Estudos de Yoga Narayana/S.P, com aperfeiçoamento em Hatha Yoga e Meditação nos Estados Unidos. É professora de Hatha Yoga em Santos (SP), desde 1989. Atualmente ensina Filosofia do Yoga e Meditação.

ENQUETE

O Brasil tem jeito?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2017
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.