DESTAQUES

Relações se constróem em jogos nem sempre conscientes

Redação Vya Estelar 01/01/2016 COMPORTAMENTO
Outras vezes usamos subterfúgios

por Angelina Garcia

A confusão se estabeleceu quando o namorado chegou trazendo um filhote angorá. Escolhido a dedo, o mais bonito da loja. Estava ansioso para ver os olhinhos de Eunice - que ele amava tanto - brilharem de satisfação. Nem de longe suspeitou que o presente de aniversário lhe causaria tamanho aborrecimento. Ouviu poucas e boas e acabou sendo taxado de insensível. Às vésperas do casamento e ele nem sabia que ela não gostava de gato!

Desconcertado, justificava-se lembrando que ela não tirava o gatinho do colo quando ele a levava para visitar tia Clô.

- Ora essa, você não percebe que eu agrado o bichano porque sua tia está velha, doente e adora o gato. É um jeito de deixá-la contente.

Embora comovido com o gesto da namorada, o rapaz não sabia se agradecia, se lhe dava os parabéns por representar tão bem, se a chamava de dissimulada, ou o quê. Perdeu o chão.

Por conta das contradições próprias do humano, a moça pode ser considerada tudo isso a partir de uma única atitude, sem que se entre em mérito ou demérito.

O relevante aqui é a sua indignação.

Muitos mal-entendidos podem ocorrer quando nos relacionamos à base do “sub”. Algumas vezes o subjetivismo é tamanho que não deixa o menor espaço para aventarmos outra possibilidade de interpretação que não a nossa. Acreditamos até que o que queremos dizer está presente pelo simples fato de querermos dizê-lo. Mas estava subentendido, defendemos com veemência.

Se, por exemplo, o sujeito tivera desde a infância seus desejos satisfeitos, porque os pais, ou demais pessoas da sua convivência, estavam atentos aos sinais mais sutis, ele crescerá esperando que essa prática dê sempre o mesmo resultado. Ao ver frustrada sua expectativa, sente-se ofendido e culpa o outro por não adivinhar o que, na verdade, não era evidente.

Outras vezes usamos subterfúgios, ora para não magoar alguém e acabamos por magoá-lo ainda mais, ao subestimar sua capacidade de perceber nossos ardis; ora recorrendo à chantagem emocional que, ao tirar as defesas do outro, coloca-o à mercê de nossos intentos. Se a linguagem, mesmo que tenhamos clara nossa intenção, já não é transparente, uma vez que o dito pode significar várias coisas; que dirá quando usada com o propósito de confundir o outro.

É fato que as relações se constróem em jogos nem sempre conscientes, mas compreender como eles funcionam aumenta as chances de relações mais saudáveis.

COMUNICAR ERRO

Redação Vya Estelar

ENQUETE

Relação aberta ajuda a reacender o romance?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2017
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.