DESTAQUES

Homem submisso pode ter ejaculação precoce e dificuldade de ereção

Arlete Gavranic 01/01/2016 COMPORTAMENTO

por Arlete Gavranic

Chamo de 'homem-hiena' aquele tipo que tem um comportamento de insistir na conquista de uma mulher, tendo muitas vezes uma postura de submissão gentil.

Lendo sobre a sexualidade dos animais mamíferos, achei muito interessante a relação de conquista entre as hienas. Ferozes, caçadores e carnívoros, no que se refere ao comportamento social e sexual, as fêmeas mandam. A matriarca, fêmea líder, dita as regras do grupo e os deveres de cada integrante.

Os machos são totalmente submissos às fêmeas, que chegam a ser 20% maiores e mais pesadas. Interessante pensar que as femeas são muito fortes e ‘machonas’. Até fisiologicamente temos que admirar, pois o clitóris da fêmea é semelhante ao pênis do macho, tanto que durante muito tempo, acreditava-se , erroneamente, que as hienas fossem *hermafroditas.

Conquista na parceria sexual

Como as fêmeas são dominadoras, os machos são sempre desprezados por elas. Quando uma fêmea entra no cio e um macho começa a rodeá-la, ele é mordido e posto para correr. Muitos realmente correm e não insistem em voltar. Mas aquele insistente, que se sujeita a ser mordido e maltratado, poderá ser aceito para ‘ficar’ com a ela. É como se ele fosse avaliado pela persistência e submissão, um sinal de que não abandonará a cria.

Muitos homens têm comportamento semelhante, eles são maltratados, não são valorizados pela parceira, às vezes são traídos, mas a submissão à mulher é muitas vezes assustadora.

Muitos são inteligentes, bem-sucedidos, mas emocionalmente dependentes, quase buscando uma força de comando maior. Olhando a história desses homens, encontramos na maioria das vezes a figura de uma mãe ou avó muito forte. Ele foi criado para ser forte e bem-sucedido na vida, mas dependente da aprovação de uma mulher. No inicio era a mãe ou a avó, mas na vida adulta uma mulher.

Édipo ou não, esses homens tendem a buscar mulheres fortes e decididas. Muitas vezes é nessa relação dependente que a submissão e a ansiedade aparecem com grande intensidade. A mãe e a avó aceitavam e amavam quase incondicionalmente..., se fosse obediente..., era recompensado ainda mais...

Mas a porca torce o rabo (muita ansiedade) na hora de conquistar outras mulheres, pois ali tem de haver uma conquista e uma aceitação que não é incondicional, o que os tornam muito mais vulneráveis a entrar em relações de dominação ou de co-dependência.

Como não foram treinados a desafios, a se autoafirmarem, a brigarem por seu ponto de vista, na relação com mulheres poderosas e autoritárias, buscando sempre aprovação por seus atos, passam a ter o comportamento de homem-hiena.

Perfil da mulher forte

Pode ser uma executiva, uma empresária, uma estudante ou uma mulher sem nenhum poder social, mas que é emocionalmente forte, decidida e mandona. Ele se submete aos seus ‘caprichos’, exigências e até ao seu desprezo, pois busca aceitação. Ele vira o parceiro bonzinho, que cuida e busca aceitação.

Esse comportamento inseguro pode trazer consequências à vida sexual desse homem, principalmente com quadros de ejaculação precoce e dificuldade de ter ou manter ereções satisfatórias.

Essas dificuldades podem se acentuar se a postura da parceira for autoritária e destrutiva nas possíveis tentativas dele querer melhorar.

Para amenizar isso, muitos casais com esse perfil precisariam de uma terapia de casal para que ela aprenda a valorizar a tomada de atitudes dele, e ele aprenda a reconhecer e impor suas vontades e qualidades.

Sexualmente esse casal pode viver muito bem se ambos passarem a ter atitudes de parceria, tanto na tomada de iniciativas como na não desvalorização do outro.

Homens-hiena podem se tornar depressivos se não forem valorizados. Para não chegar nisso, é importante que ele busque sua autoafirmação e reconhecimento para não cair em relacionamentos que alimentem ansiedade e insegurança.

Como já disse, essas questões emocionais, podem ajudar a desenvolver disfunções sexuais.

* Fonte: wikipedia.org




Criteo Publicidade:

Arlete Gavranic

Psicóloga, Mestre em Educação; Educadora e Terapeuta sexual pela Sbrash, Coordenadora e docente dos cursos de Pós-graduação lato sensu em Educação sexual e em Terapia sexual do ISEXP/ Sbrash. Docente dos cursos de pós-graduação em Educação sexual e Terapia sexual da UNISAL e coordenadora do pós de Terapia Sexual da UNISAL.



ENQUETE

O Brasil tem jeito?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2017
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.