DESTAQUES

Filha ditadora, pais frouxos ou ambos? E agora, como impor limite?

Blenda de Oliveira 01/01/2016 PSICOLOGIA
Quem necessita tiranizar e controlar carrega questões de desamparo

por Blenda de Oliveira

"Procuro psicoterapeuta com experiência em terapia de família. Trata-se de crises repetidas de desentendimentos com minha filha. Agora se agravou, ela me agrediu fisicamente com beliscão forte."

Resposta: Esta é uma situação que precisa de urgente atenção. Provavelmente chegou nesse ponto porque a tensão foi crescendo e você como mãe não conseguiu segurar a autoridade.

Não ficou claro se moram só vocês duas, se o pai é presente e se há outros filhos. Tudo isso é muito importante para entender por que está tão só nesse embate. Filhos ditadores são resultado de um processo em que as figuras dos pais passam a ocupar o lugar daqueles que serão controlados pelos filhos de modo autoritário e tirânico. Por qualquer motivo as fronteiras hierárquicas desse relacionamento tornaram-se frouxas, praticamente inexistentes.

Para sua filha não deve ser fácil assumir a tirania dela com você, portanto, embora não pareça, causa sofrimento e não a ajudará a estabelecer relações saudáveis no futuro com amigos, parceiros amorosos ou na vida profissional.

Um filho ou filha que escraviza, tiraniza como déspota a relação com os pais, passa a ter sobre si mesmo uma ideia falsa de força e poder. No fundo são pessoas que se sentem desamparadas e desesperadas. De modo geral, pessoas que necessitam tiranizar, controlar e assustar carregam questões de desamparo, insegurança e baixa autoestima. Quase sempre viveram o mesmo em sua vida e reproduzem esse comportamento com outras pessoas. Claro, que pode haver também disfunções que não só psicológicas, mas químicas que acarretam quadros de enorme impulsividade e agressividade. Por isso a necessidade de se consultar um profissional, nesse caso, para avaliar os aspectos da dinâmica da relação, os aspectos psicológicos individuais e os aspectos, talvez, que estejam relacionados com a química.

Busque ajuda para retomar o leme do barco. Se o pai estiver com você deve ser envolvido, caso não tenha essa possibilidade do pai participar, caberá a você buscar urgentemente ajuda no sentido de se fortalecer e retomar sua autoridade de mãe. Não tenha medo e não ceda, desistindo da relação com sua filha. Lute, mas com orientação e conhecendo melhor quais seus pontos fortes e aqueles a melhorar para retomar a relação mãe e filha.

Boa sorte!

Vya Estelar Responde

Vya Estelar quer colocar você, querido leitor, mais perto ainda de nós. Esse profissional irá responder dúvidas enviadas pelos internautas sobre um determinado tema. A psicóloga e psicanalista Blenda de Oliveira responderá dúvidas e perguntas sobre conflitos familiares e entre pais e filhos. Os e-mails serão selecionados e editados de acordo com critério editorial do Vya Estelar, já que não será possível responder a todos. Seu nome e e-mail serão preservados.

ENVIAR PERGUNTA
COMUNICAR ERRO

Blenda de Oliveira

Doutora em psicologia clínica pela PUC-SP. Psicanalista pela Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo (SBPSP). Psicoterapeuta de adultos, adolescentes, crianças, famílias e casais. Atuante como Life Coaching em diversas áreas, utilizando essa metodologia para colaborar nos processos de sucessão familiar nas empresas.

ENQUETE

Você acha que um romance iniciado no Carnaval tem chances de dar certo?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2017
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.