DESTAQUES

É preciso ter vocação para casar?

Anette Lewin 01/01/2016 ENTREVISTAS
Construir uma relação amorosa exige muito trabalho

por Anette Lewin

A psicóloga especializada em relacionamento amoroso Anette Lewin, na segunda parte desta entrevista exclusiva ao Vya Estelar, compara o casamento a um vestibular da Fuvest e explica por que muitos casais passam na primeira fase, nas questões de múltipla escolha, e são reprovados na segunda de questões abertas. Anette diz que é possível, a partir do aprendizado que a vida a dois proporciona, sair do egoísmo ou individualismo e aprender de fato a amar.

Ela afirma que é possível amar e se sentir livre; e que a dependência, em qualquer momento da relação amorosa, não é saudável.

A psicóloga diz que não existe uma receita ideal para o amor, mas no fim da entrevista arrisca uma, movida pelo bom senso. Para ler a primeira parte desta entrevista - clique aqui.

Vya Estelar - É preciso ter vocação para casar?

Anette Lewin - Sim, é preciso. Casamento é cada vez mais para um menor número de pessoas. Não é necessário casar para ter companhia, para ter sexo e para ter filhos. E poucos conseguem achar melhor ter que dividir uma casa com alguém, se podem ter uma inteira para si mesmo. O outro é visto como um estorvo, mais do que como um prazer. Principalmente quando esse outro não pode ser deletado na hora em que está incomodando. Assim, é preciso ter vocação para escapar dessa horda de individualismo e se aventurar na perigosa aventura do compartilhamento. Mas ainda existe quem goste.

Vya Estelar - É possível amar e se sentir livre?      

Anette Lewin - Sim, como muitos já disseram, o verdadeiro amor liberta. Mas não podemos esquecer que a relação amorosa ainda é ligada a padrões que, embora possam parecer lindos e repletos de significados, se esvaziam com o passar do tempo transformando-se em armadilhas. Por exemplo: os padrões de uma festa de casamento são dados aos noivos com pouquíssimas opções de escolha. Existem meia dúzia de igrejas, meia dúzia de salões de festa e meia dúzia de floristas. Assim, os noivos começam suas vidas em comum com questões de múltipla escolha e são obrigados a continuá-la com questões abertas, como num vestibular da Fuvest. E assim como na Fuvest, muitos passam na primeira fase, mas são reprovados na segunda; porque não sabem lidar com a liberdade de escolha e de construção; porque não aprenderam; porque a sociedade de consumo, como a que vivemos, empurra as pessoas para padrões pré-estabelecidos para vender mais e "mais barato".

E todos compram mais ou menos as mesmas coisas que são encantadoras enquanto novas. O problema é o que fazer com elas quando perdem seus valores originais. Em geral viram poluição. Mesmo a reciclagem é padronizada. E poucos se preocupam com ela. Assim, voltando à questão da liberdade no casamento, podemos dizer que o casamento liberta, se cada casal combinar suas regras e tentar respeitá-las; se a vida pessoal de cada um dos envolvidos for mantida e enriquecida com experiências individuais; e se os envolvidos souberem reciclar seu "lixo" e transformá-lo em elementos úteis, ou pelo menos, não destrutivos; atualizando seus contratos no relacionamento e incluindo neles suas experiências a dois.

Vya Estelar - É possível que uma pessoa egoísta, através do próprio aprendizado que a vivência a dois proporciona, saia do egoísmo e se doe para amar?    

Anette Lewin - Sim, é possível. Na maioria das vezes a pessoa egoísta vem de uma família onde existem elementos egoístas. E o egoísmo passa a ser seu padrão de comportamento, porque foi isso que ela aprendeu. Se essa pessoa passar a conviver com alguém que saiba dividir e lhe ensine como se faz isso de forma saudável, ela poderá adotar esse novo padrão de comportamento e passá-lo adiante. Na atualidade, porém, as pessoas caminham mais no sentido oposto. Cultivam o individualismo e os prazeres pessoais. Muitos preferem não se envolver para não ter que dividir. Muitos sentem que podem ser felizes com apenas um celular para lhe dar a sensação de estar compartilhando algo. E basta um toque para desligar tudo e voltar ao seu sossego.

Vya Estelar -  A longevidade, mesmo numa relação saudável, inevitavelmente cria vínculos de codependência do tipo: “não saberia viver sem ele”, ou “minha vida perderia o sentido”. Ou é possível amar e ser independente?

Anette Lewin - A relação amorosa deve ser encarada como parte da vida de alguém. Não como sua essência. Conviver por longos anos certamente fortalece vínculos, cria costumes e sua ruptura provocará sentimentos de vazio. Mas dependência, em qualquer momento de uma relação amorosa, representa o patológico, não o saudável. A vida pessoal deve ser cuidada e estar preenchida para que a vida a dois caminhe de forma saudável.

Vya Estelar -  Que dicas você daria para construir no relacionamento amoroso?  

Anette Lewin - Para construir ou manter uma relação amorosa é necessário, como já foi dito: muito trabalho, vontade de dividir ao invés de só acrescentar, sensibilidade, capacidade de se colocar no lugar do outro e tolerância à frustração. Não existe uma receita ideal para o amor e nunca existirá, mas o bom senso nos permite arriscar na seguinte:

Receita para o amor

- Leve ao fogo as tradições, o saber ancestral, as regras de quem já pensou sobre o amor;
- Acrescente aos poucos a noção de que uma escolha pessoal é apenas o início de uma trilha a ser compartilhada e construída no dia a dia;
- Misture boas colheradas de respeito pelo seu prazer e uma xícara cheia de respeito pelo prazer do outro;
- Pronta a massa, abra um espaço para conservar sua individualidade;
- Acrescente temperos que ambos apreciem;
- Saboreie. Ah! "E que seja eterno enquanto dure".

Vya Estelar Responde

Vya Estelar quer colocar você, querido leitor, mais perto ainda de nós. Esse profissional irá responder dúvidas enviadas pelos internautas sobre um determinado tema. A psicóloga Anette Lewin responderá sobre relacionamento amoroso, conflitos na vida a dois e conjugal. Os e-mails serão selecionados e editados de acordo com critério editorial do Vya Estelar, já que não será possível responder a todos. Seu nome e e-mail serão preservados.

ENVIAR PERGUNTA
COMUNICAR ERRO

Anette Lewin

É psicóloga graduada pela PUC/SP. É psicoterapeuta de adultos e adolescentes em consultório particular desde 1975 até a presente data.

ENQUETE

A pochete masculina dos anos 90 está voltando... Isso é brega?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2017
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.