DESTAQUES

Como contar para minha filha que ela é adotada?

Blenda de Oliveira 01/01/2016 PSICOLOGIA
É fundamental que conte para sua filha a história dela

por Blenda de Oliveira

"Minha filha tem três anos e é adotiva. Como conto a ela que é adotada e foi rejeitada pela mãe biológica desde a gravidez? Oriente-me. Grata."

Resposta: O primeiro ponto importante é saber que as pessoas adotadas não vivenciam sua perda da mesma maneira e nem no mesmo grau. Cada criança fará sua elaboração de acordo com suas formas de percepção e de lidar com os acontecimentos. É muito importante a forma e o tempo com que seus pais adotivos lhes contam sua história.

O segundo aspecto é ter em mente que a história de uma criança pertence a ela e, portanto, tem todo o direito de saber e explorar sua história ao longo do seu crescimento. Quero com isso dizer que é fundamental que conte para sua filha a história que a trouxe ao mundo e para perto de você.

Como iniciar a revelação

Entretanto, temos que considerar que para iniciar essa revelação, é muito importante que tanto você quanto seu marido estejam preparados e alinhados. O que isso quer dizer? Há muitos estereótipos sobre adoção. Quase sempre as pessoas têm pena ou um certo olhar de que aquela criança, com certeza, trará problemas. Além disso, há muitos preconceitos em relação às mães biológicas. Tudo isso precisa estar tranquilo para vocês. As crianças são mestras em fazer rápidas e acertadas leituras entre o que é dito e o que o corpo expressa. Se ao falar sobre isso vocês expressam tristeza, por exemplo, pelo tom da voz, a criança logo percebe.

Dessa forma indico que vocês conversem entre si e, se quiserem, procurem ler a respeito e conversar com pessoas que entendam de adoção para que se orientem melhor no que diz respeito à condição emocional de vocês.

Na idade da sua filha a melhor forma de contar é por meio de estorinhas, contos de fadas ou, melhor ainda, por uma estória inventada por vocês. Invente uma estória que aos poucos sua filha identificará o personagem como sendo ela.

Por exemplo: Um dia mamãe e papai foram até uma loja onde tinham muitos bebês. Bebês gordinhos, magrinhos, loirinhos etc. Diga que vocês estavam muito felizes por que escolheram um bebê (faça uma descrição da sua filha) e quando encontraram disseram para esse bebê que (diga o nome dela) queriam muito que viesse com vocês. Estavam muito contentes de levar aquela menina tão linda para casa e torná-la filha.

Este é só um exemplo, mas pode variar, inventar e contar sempre a mesma estória. Faça desenhos e procurem se divertir nessa situação. Na medida que ela for crescendo o assunto pode ir ganhando mais força e ela, com mais autonomia, poderá explorar mais e mais sua história. Estejam sempre prontos para falar e, na medida da necessidade, tragam mais detalhes da história.

O mais importante é iniciar essa conversa. Os detalhes quanto à adoção aparecerá conforme vocês e ela não tornarem o assunto tabu, reconhecendo que é um direito dela, sempre, saber da sua história.

Vya Estelar Responde

Vya Estelar quer colocar você, querido leitor, mais perto ainda de nós. Esse profissional irá responder dúvidas enviadas pelos internautas sobre um determinado tema. A psicóloga e psicanalista Blenda de Oliveira responderá dúvidas e perguntas sobre conflitos familiares e entre pais e filhos. Os e-mails serão selecionados e editados de acordo com critério editorial do Vya Estelar, já que não será possível responder a todos. Seu nome e e-mail serão preservados.

ENVIAR PERGUNTA



Blenda de Oliveira

Doutora em psicologia clínica pela PUC-SP. Psicanalista pela Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo (SBPSP). Psicoterapeuta de adultos, adolescentes, crianças, famílias e casais. Atuante como Life Coaching em diversas áreas, utilizando essa metodologia para colaborar nos processos de sucessão familiar nas empresas.



ENQUETE

Para você a traição significa falta de amor ou que o relacionamento chegou ao fim?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2017
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.