DESTAQUES

Consumo de graviola no combate ao câncer não tem comprovação científica

Jocelem Salgado 01/01/2016 SAÚDE E BEM-ESTAR

por Jocelem Salgado

Vou falar sobre uma fruta pouco consumida, mas que tem muitas e boas propriedades, a graviola cujo nome científico é annona muricata.

Tal espécie é cultivada em regiões tropicais das Américas. No Brasil é muito produzida no Nordeste, tendo destaque no Ceará, Bahia, Pernambuco e Paraíba. As folhas da gravioleira são utilizadas em infusões, tanto secas como moídas. Seus frutos são utilizados em sorvetes, sucos, geleias, compotas e como doces.

Essa fruta apresenta uma nova classe de fitoquímicos, dentre eles as acetogeninas anonáceas que têm demonstrado ser antitumoral, pesticida, inseticida, antibacteriana, antiparasitário e ainda possui efeito * imunossupressor.

Em um estudo realizado para verificar a viabilidade celular de cultura de linfócitos tratados com a fruta verificou-se uma correlação positiva entre a atividade antioxidante e o conteúdo de polifenois totais (r=0,896; p=0,05). Os dados obtidos com o estudo indicam que os derivados da gravioleira apresentam importante atividade antioxidante frente ao radical DPPH e também aumento na viabilidade celular, indicando minimização nos danos oxidativos.

Segundo Shahidi, através de seus estudos clínicos e epidemiológicos, foram mostradas evidências de que antioxidantes fenólicos de cereais, vegetais e frutas são os principais fatores que contribuem para a baixa e significativa redução da incidência de doenças crônicas e degenerativas (diabetes, doenças cardiovasculares, obesidade, câncer, entre outras) encontradas em populações cujas dietas são altas na ingestão desses alimentos.

Vários pesquisadores evidenciaram seus estudos com a gravioleira, com base na medicina popular e observaram que as folhas utilizadas em infusão ou liofilizadas (ou seja, em cápsulas) para uso no tratamento de diabetes, gripes, tosses e hipertensão. Outros estudiosos obtiveram resultados positivos da espécie como anticancerígeno e antitumoral devido à presença do composto bioativo acetogeninas, que são compostos característicos das annonaceae e que exercem **citotoxidades seletiva sobre as células tumorais (significa que destroem as células tumorais) sem afetar as células normais.

As frutas da gravioleira conhecidas como graviola, são comercializadas e consumidas in natura e também em polpa congelada, que é a forma mais comum de ser encontrada. Essas polpas congeladas possuem propriedades antioxidantes, correlacionando esses resultados com compostos como fenólicos, carotenoides e vitamina C.

Dentre as inúmeras pesquisas realizadas com a graviola, foram obtidos muitos relatórios de efeitos generalizados, pois é uma fruta que apresenta muita dificuldade de se obter provas concretas.

Porém, as pesquisas comprovam que a annona muricata tem demonstrado resultados positivos como: inibidora do vírus herpes simplex; possuir propriedades antiviral, antiparasitárias; e ser benéfica contra os efeitos antirreumático e citotóxicos.

Alegação do FDA (Food and Drug Administration)

O FDA (órgão governamental dos Estados Unidos da América que faz o controle dos alimentos, tanto humano como animal), aprovou a graviola apenas para ser usada como um coadjuvante na melhora da função imunológica. Porém, existem mais de 11 publicações em artigos indexados mostrando, por exemplo, propriedades sedativas das folhas da graviola, (Bourne RR West Indian Med J 1979 28:2), ou de fortalecimento do sistema imunológico (Wu FE vários J Nat Prod junho de 1995).

O maior número de pesquisas realizados com a fruta vem de Purdue University nos Estados Unidos que até o momento gastaram em torno de cinco milhões de fundos públicos em estudos.

"Cura" o câncer?

Pesquisas in vitro indicaram que vários dos ingredientes ativos (acetogeninas annonaceous) matam células malignas de 12 tipos diferentes de câncer incluindo câncer de mama, ovário, cólon, próstata, fígado, pulmão, pâncreas e linfoma.

Atualmente o NCI - Instituto Nacional do Câncer dos EUA suporta as pesquisas da Purdue University e, recentemente, estudos confirmaram que extratos de folhas de graviola” matam” células cancerosas " e foram especialmente eficazes contra cânceres de próstata e pâncreas. Outro estudo mostrou seu efeito contra o câncer de pulmão.

O estudo mais recente da Universidade Católica da Coreia do Sul mostrou que os ingredientes ativos têm "seletiva citotoxidade” comparável com adriamicina, uma droga usada historicamente para câncer de mama e de cólon.

Um outro estudo publicado no Journal of Natural Products alegou que a graviola foi dez mil vezes mais eficaz que a adriamicina. Um terceiro estudo da Coreia do Sul mostrou que, ao contrário de adriamicina, não havia nenhuma atividade negativa sobre as células saudáveis, ao passo que um quarto estudo da Purdue University afirmou que muitas células cancerosas sobreviventes à quimioterapia clássica, através do desenvolvimento de resistência aos produtos químicos, foram atacadas nada a menos pelos agentes da graviola.

O pesquisador da Purdue, Dr. Jerry McLaughlin, diz que muitas células cancerosas, ao longo do tempo, desenvolvem uma substância conhecida como P-glicoproteína capaz de expulsar o agente de quimioterapia antes que ele possa trabalhar, beneficiando a saúde do organismo. No entanto, componentes químicos da annona não são suscetíveis a essa substância e conseguem destruir as células cancerígenas.

Um trabalho recente publicado em 2011 pella UNIPAM concluiu que a graviola pode apresentar alta citotoxicidade (morte de células normais) não devendo ser usada como preventivo para câncer.

No entanto, caso a doença já esteja estabelecida, a graviola poderá ser utilizada como coadjuvante no tratamento, visto que diminue a frequência de tumores no organismo conforme mostrado no estudo in vivo usando mosca das frutas (drosóphila melanogaster).

Vale ressaltar que todos os estudos feitos até o momento foram realizados “in vitro” (usando células) e em animais, não existindo nenhuma confirmação com embasamento científico em estudos clínicos com humanos. Por isso cuidado com a automedicação.

* Imunossupressor: que ou o que suprime ou reduz as reações imunológicas específicas do organismo contra um antígeno (diz-se de substância, medicamento ou tratamento); imunodepressor




Jocelem Salgado

Profa. Titular de Vida Saudável da ESALQ/USP/Campus Piracicaba. Autora dos livros: "Previna Doenças. Faça do Alimento o seu Medicamento" e "Pharmácia de Alimentos. Recomendações para Prevenir e Controlar Doenças", editora Madras



ENQUETE

Você é feliz no trabalho?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2017
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.