DESTAQUES

Como lidar com a dependência química do meu parceiro?

Danilo Baltieri 01/01/2016 COMPORTAMENTO
Codependente experimenta sensação de desamparo

por Danilo Baltieri

"Tenho um relacionamento com um rapaz de 32 anos, eu tenho 54. Ele é um homem muito inteligente, sensível, carinhoso... Enfim, nos entendemos bem apesar da grande diferença de idade. Infelizmente, ele é dependente químico de cocaína. Estamos juntos há um ano e meio. No início, não sabia que ele usava isso; quando o via triste e estranho, achava que ele estava com depressão, pois nunca tinha convivido com tal situação. Agora que sei de toda a realidade, tento ajudá-lo. Já o levei aos Narcóticos Anônimos, mas nada parece adiantar. Ele sempre volta e se afunda, promete que vai ser diferente... Estou meio perdida sem saber o que fazer. Gostaria que me desse uma direção ou se o melhor é sair fora dessa história que não é minha. Tenho pena dele, mas estou vendo meu mundo afundar."

Resposta: É frequente o cônjuge de um portador de dependência química tornar-se tão envolvido com o comportamento do parceiro a ponto de aderir aos mesmos processos mentais desastrosos. Os parceiros não dependentes sentem-se perdidos, às vezes negando o problema, e às vezes sentindo-se desesperados ou mesmo furiosos. Muitas vezes, as estratégias adotadas pelo parceiro não dependente para recuperar seu companheiro são inadequadas e apenas acentuam o problema (por exemplo, comprar bebidas para o dependente tomar em casa e não na rua, tentar experimentar maconha junto com o parceiro dependente para tentar sentir o mesmo "barato" que o parceiro tanto busca, pedir para o parceiro usar cocaína no banheiro somente à noite etc). Outrossim, alguns parceiros não dependentes tomarão atitudes que são autodestrutivas, degradantes e que violam o próprio sistema de valores pregresso. Ou seja, o companheiro não dependente tende a sacrificar sua própria identidade e realidade em favor de uma outra bastante diferente e, por vezes, caótica. Por exemplo, é comum codependentes em relacionamento amoroso manifestarem os seguintes comportamentos:

10 atitudes autodestrutivas do codependente:

1ª) Desrespeitar seus próprios valores;
2ª) Colocar-se em segundo plano;
3ª) Encobrir comportamentos inadequados do parceiro dependente;
4ª) Tentar aparentar calma, quando se está extremamente furioso;
) Evitar conflitos para manter o casamento e as aparências;
6ª) Ser desrespeitado continuamente;
7ª) Permitir que seus próprios valores morais sejam desprezados;
8ª) Acreditar que não existem outras opções;
9ª) Assumir responsabilidades demais;
10ª) Estabelecer e reforçar a crença de que merece o que está acontecendo.

Geralmente, o companheiro não dependente inicia o processo de codependência estabelecendo um sistema de crenças nocivo. Esse indivíduo não dependente avalia seu próprio comportamento, suas necessidades, sua história e seus relacionamentos pretéritos. A partir de então, desenvolve pensamentos que distorcem a realidade e amparam o comportamento do parceiro dependente. Por exemplo, sempre fui pouco desejável; logo, é melhor permanecer nessa forma atual do que em uma outra. Ou mesmo: minha mãe sempre manteve o relacionamento com meu pai, apesar dos seus problemas com o álcool; logo, tenho a mesma sina.

A mesma sensação de solidão e desamparo experimentado pelo dependente é vivido pelo parceiro codependente.

Consequentemente, muitos codependentes manifestam:

1ª) Perda de amigos;
2ª) Tristeza e pensamentos de ruína;
3ª) Sonhos não usuais;
4ª) Mudanças de apetite e padrão do sono;
5ª) Falha no desempenho de tarefas usuais;
6ª) Problemas financeiros;
7ª) Comportamentos degradantes ou humilhantes.

Em situações como estas, aliás nada incomuns, é recomendável e desejável que tanto o parceiro dependente quanto o companheiro não dependente iniciem um tratamento específico. Caso o parceiro dependente não o deseje, é fundamental que o companheiro não dependente faça seu tratamento. É essencial que pensamentos disfuncionais sejam reconhecidos e comportamentos não saudáveis possam ser modificados. Infelizmente, muitos codependentes acreditam que conseguem domar a situação por si sós. No entanto, um ciclo de comportamentos problemáticos e desenfreados pode já estar ocorrendo há algum tempo e o reconhecimento disso, bem como seu manejo, pode ser bastante salutar.

Vya Estelar Responde

Vya Estelar quer colocar você, querido leitor, mais perto ainda de nós. Esse profissional irá responder dúvidas enviadas pelos internautas sobre um determinado tema. O psiquiatra Dr. Danilo Baltieri responderá questões ligadas à dependência química e vícios: drogas, álcool, cigarro e psicotrópicos. Os e-mails serão selecionados e editados de acordo com critério editorial do Vya Estelar, já que não será possível responder a todos. Seu nome e e-mail serão preservados.

ENVIAR PERGUNTA
COMUNICAR ERRO

Danilo Baltieri

Médico psiquiatra. Mestre e doutor em Medicina pelo Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Atualmente é coordenador geral do Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas do Instituto de Psiquiatria da FMUSP (GREA-IPQ-HCFMUSP).Tem experiência em Psiquiatria Geral, com ênfase nas áreas de Dependências Químicas.

ENQUETE

A pochete masculina dos anos 90 está voltando... Isso é brega?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2017
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.