DESTAQUES

Urologistas reprovam cirurgia para aumentar pênis e eliminar ejaculação precoce

Redação Vya Estelar 01/01/2016 SAÚDE E BEM-ESTAR

Da Redação

Com a promessa de aumentar o tamanho do pênis e eliminar a ejaculação precoce, várias clínicas e médicos brasileiros vêm realizando procedimentos cirúrgicos em pacientes que buscam soluções imediatas para algo que, muitas vezes, deveria ser tratado com medicamentos ou no consultório de um psicólogo. O problema é que essas cirurgias não têm qualquer fundamentação científica e seus resultados, na maioria das vezes, acabando deixando sequelas no órgão genital desses homens. Por esta razão, são procedimentos desaconselhados pelas entidades médicas.

Segundo o médico Geraldo Eduardo de Faria, membro da Sociedade Brasileira de Urologia, por trás dessas promessas há interesses financeiros. “Os procedimentos cosméticos para aumento do pênis não têm sustentação científica. O que acontece, na verdade, é um grande comércio”, diz. “Não há como aumentar o tamanho do membro; o que existe é uma cirurgia para seccionar o ligamento suspensor do pênis, dando a impressão de que o órgão está um pouco maior”, explica.

Preocupação de tamanho não é com pênis ereto, mas flácido

Sua experiência clínica mostra que a procura por procedimentos cirúrgicos para aumentar o tamanho do pênis ocorre, principalmente, em indivíduos que não aceitam a própria constituição física. “São homens que não estão preocupados com o tamanho do pênis ereto, mas sim em flacidez e com a sua imagem perante as pessoas”, afirma Faria.

A SBU-SP é contrária aos procedimentos cirúrgicos que prometam aumentar o tamanho do pênis. “Do mesmo modo, a comunidade científica internacional não aceita esse tipo de procedimento, considerando-o inadequado para tratar um problema de ordem psicológica”, enfatiza.

Cirurgia para eliminar ejaculação precoce não é aprovada pelo CFM

As cirurgias que prometem acabar com a ejaculação precoce também são condenadas pela comunidade médica. Para esses casos, a recomendação de tratamento é medicação oral e/ou psicoterapia. Alguns profissionais, entretanto, preconizam o tratamento cirúrgico, chamado de neurotripsia. “Essa cirurgia não é aprovada pelo Conselho Federal de Medicina para esse tipo de caso e seus resultados não foram comprovados cientificamente”, afirma o urologista Álister de Miranda Cará.

Doutor em urologia pela Unicamp, Cará explica que esse tipo de cirurgia é um procedimento invasivo – consiste na exploração da microinervação peniana e na ressecção das terminações nervosas sensitivas do pênis – e seus resultados não são satisfatórios quando comparados aos tratamentos tradicionais.

Ejaculação precoce na maioria das vezes possui origem psicológica

A ejaculação precoce ocorre quando o homem atinge o orgasmo muito rapidamente, sem qualquer controle. Estima-se que 35% dos homens com mais de 40 anos sofram com o problema que, na maioria das vezes, a origem não é física, mas sim psicológica. “E mesmo quando há algum problema físico, os pacientes podem ser tratados de forma não cirúrgica”, completa.

COMUNICAR ERRO
loading...

Redação Vya Estelar

ENQUETE

Você namoraria alguém como você?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2017
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.