DESTAQUES

Meu marido comeu bolo de maconha e surtou. O que fazer?

Danilo Baltieri 01/01/2016 SAÚDE E BEM-ESTAR
Isso significa que seu marido não deve mais usar maconha

por Danilo Baltieri

"Meu marido e eu fomos a Amsterdam e lá comemos bolo de cannabis, uma fatia cada. Algo como duas horas depois, meu marido sofreu um surto psicótico que durou umas três horas; quadro tal apresentou ações descontroladas, reações aleatórias intercaladas, frases sem sentido, ataques de sinceridade. Foi tudo muito assustador. Não misturamos com nada, nem com álcool. Foi apenas uma fatia para cada. E essa foi a primeira vez que experimentamos alguma droga que não fosse álcool. Nem cigarro comum nunca fumamos. Minha questão é: esse surto que ele teve significa algo? Ele vai ter sequelas? Precisa de algum tratamento? Eu te peço ajuda pois estou realmente muito assustada com tudo isso."

Resposta: Estudos têm investigado diferentes efeitos da maconha de acordo com a via de administração. Alguns desses estudos têm demonstrado que os efeitos psicológicos da maconha fumada são mais prolongados do que da maconha ingerida, embora a ingestão dessa substância gere maiores somas de metabólitos ativos (11-Hydroxi-THC) do que quando fumada.

De qualquer forma, as reações ao consumo dessa substância variam de acordo com vários fatores: concentração da droga, suscetibilidade individual, quantidade e tempo de consumo, expectativas diante do uso, dentre outros.

É conhecido que algumas pessoas, logo após o consumo da maconha, experimentam sintomas bastante desagradáveis, como alucinações e delírios, os quais geralmente se resolvem em horas ou dias. Tendo em vista que tais pessoas se recuperam de forma espontânea e relativamente rápida, elas raramente procuram atenção especializada. Outrossim, tais pessoas mais dificilmente tornarão a fazer uso da droga, devido ao receio da repetição do problema.

A princípio, trata-se de uma reação totalmente possível, tendo em vista a ação da droga em diferentes regiões cerebrais, por exemplo, aumentando a atividade no córtex pré-frontal, e reduzindo a atividade em uma outra região cerebral, conhecida como striatum. Mas, dado que muitos usuários da droga jamais apresentam reações desse tipo, a variabilidade genética individual deve ser levada em consideração.

A dose e a concentração da maconha também devem ser levadas em consideração. Reações como confusão mental e crises de ansiedade têm sido associadas às maiores doses da maconha; vêm como com a suscetibilidade individual.

Como já dito, reações do tipo descrito na sua pergunta, que resolvem por si mesmas, em horas ou poucos dias, são realmente possíveis em certos indivíduos. Isso não significa peremptoriamente que seu marido tem algum problema prévio. Isso significa que o seu marido não deve mais repetir a experiência de usar maconha.

Atenção!

Este texto e esta coluna não substituem uma consulta ou acompanhamento de um médico e não se caracterizam como sendo um atendimento.

Vya Estelar Responde

Vya Estelar quer colocar você, querido leitor, mais perto ainda de nós. Esse profissional irá responder dúvidas enviadas pelos internautas sobre um determinado tema. O psiquiatra Dr. Danilo Baltieri responderá questões ligadas à dependência química e vícios: drogas, álcool, cigarro e psicotrópicos. Os e-mails serão selecionados e editados de acordo com critério editorial do Vya Estelar, já que não será possível responder a todos. Seu nome e e-mail serão preservados.

ENVIAR PERGUNTA
COMUNICAR ERRO

Danilo Baltieri

Médico psiquiatra. Mestre e doutor em Medicina pelo Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Atualmente é coordenador geral do Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas do Instituto de Psiquiatria da FMUSP (GREA-IPQ-HCFMUSP).Tem experiência em Psiquiatria Geral, com ênfase nas áreas de Dependências Químicas.

ENQUETE

A pochete masculina dos anos 90 está voltando... Isso é brega?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2017
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.