DESTAQUES

Por que o Big Brother só é um fenômeno aqui no Brasil?

Redação Vya Estelar 01/01/2016 PSICOLOGIA
Big Brother funciona como uma novela

por Ana Beatriz B. Silva

Ao tentarmos entender o absoluto e indiscutível sucesso do programa Big Brother Brasil, algumas questões nos saltam à mente: como explicar que esse fenômeno só tenha se desenrolado desta forma aqui no Brasil? Por que a cada edição do BBB novos recordes de audiência são atingidos? Por que em outros países, entre centenas no mundo, onde o Big Brother foi realizado essa história não se repetiu? Por que nos EUA onde as celebridades instantâneas brotam do chão e a competitividade é tão estimulada, o BBB não passou de três edições, sendo a última considerada um fracasso de audiência?

Diante de tantas perguntas temos o dever de analisar esse acontecimento nacional e aprendermos com ele o que a população brasileira quer expressar com tal comportamento.

Se não fizermos assim, no mínimo, estaremos fechando os olhos para um fato que transcende os interesses estratégicos e comerciais de uma empresa de televisão em busca de índices de audiência que assegurem seus patrocinadores e anunciantes.

Desde o início o BBB vem apresentando aspectos com o típico tempero brasileiro. Na sua primeira edição, a presença de um estrangeiro no programa e sua possível saída precoce da 'Casa' mobilizaram a opinião pública e o Brasil mostrou mais uma vez a sua disposição em receber e adotar todo tipo de gente, independente da raça, credo, cultura ou idioma. O vencedor, por sua vez, foi um candidato que começou com pinta de 'fortão' e ao ser rejeitado pelo grupo criou uma 'boneca' como fiel companheira. O Brasil, além de perdoá-lo pelo tropeço inicial, partiu em sua defesa quando em lágrimas o então candidato 'fortão' exibiu toda sua 'fragilidade' ao mostrar que homem chora e chora muito!

Nas segunda e terceira edições, o público deixou claro que beleza não põe a mesa, e que o mundo nem sempre é dos mais espertos e sim dos mais amigáveis e éticos.

E o povo brasileiro foi além: questionou o critério de seleção dos participantes e sinalizou que o programa não representava todas as classes sociais do nosso país. Foi então que o BBB 4 criou um sistema de sorteio para que dois participantes pudessem entrar no jogo pelo critério que o povo sempre viu como o mais justo: a sorte aferida em sorteio nacional. O Brasileiro acredita na sorte, afinal sempre contou muito mais com ela do que com o poder público para levar adiante seus sonhos e esperanças de um dia ter uma vida melhor.

O BBB4 goleou o preconceito, as diferenças sociais e culturais e levou para a final os dois participantes eleitos pela sorte!

Feita a justiça social no BBB 4, eis que chega o BBB 5. E chegou com 'sede', que em poucos dias se tornou um fenômeno de audiência que nem a campeã 'Senhora do Destino' - novela das 8 da época - conseguiu abater. Como explicar que um programa importado e sem tradição nacional desbancasse nossa cultura novelística de quase meio século (aproximadamente 45-46 anos de novelas brasileiras)? Que novo comportamento é esse que os brasileiros assumiram em acompanhar o dia-a-dia de pessoas 'comuns' trancadas numa casa vigiada 24 horas por dia?

Se prestarmos atenção, veremos que o BBB funciona tal qual uma novela: é diário e com horário certo, tem drama, conflitos, gente de todos os tipos e várias e simultâneas histórias que apresentam reviravoltas surpreendentes. No entanto, no BBB o povo tem o PODER, o poder de mudar o rumo dos acontecimentos, o poder de punir os personagens arrogantes, preconceituosos, egoístas e espertos demais. Afinal, o povo sabe que esperteza demais, nunca é bom para a maioria.

Na 5ª edição, independente do resultado, o povo conseguiu passar a mensagem de que para ser merecedor de 1 milhão de reais são necessários alguns pré-requisitos: ser digno, ético e humano. E agora em sua sexta edição o professor de matemática Rafael, que diz não ter sonhos de consumo, pretende viajar pelo Brasil ajudando escolas, caso fature hoje o prêmio de 1 milhão de reais.

Ganhar a qualquer custo não é coisa de gente do "bem" e isso o povo já está cansado de ver nas notícias diárias sobre falcatruas contra o dinheiro público. É a vez da justiça moral e é o povo que diz isso.

Pode parecer estranho, mas o povo vem aperfeiçoando seu direito de votar e decidir através do BBB e a cada edição deixa o seu recado. Só não ouve quem não quer ou quem tem surdez na alma.

Feliz da nação que tem um povo que zela pela justiça e tenta exercê-la de todas as formas que lhe são oferecidas. No Brasil, o Big Brother virou a grande arena do exercício democrático do povo, com efeitos imediatos na mudança dos fatos e acontecimentos. Ele vê seu voto valer e ser respeitado semana após semana.

Se a voz do povo é a voz de Deus, e se Deus escreve certo por linhas tortas, fica fácil entender porque os Big Brothers de lá, não "gorjeiam" como os de cá!

COMUNICAR ERRO

Redação Vya Estelar

ENQUETE

Você acha que um romance iniciado no Carnaval tem chances de dar certo?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2017
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.