DESTAQUES

Separações e reconstituições nas famílias: como ficam os filhos?

Ceres Alves Araujo 03/11/2017 PSICOLOGIA
Separações e reconstituições nas famílias: como ficam os filhos?
Fonte: imagem Pixabay
Por vezes, o primeiro filho é penalizado na situação; entenda por quê

por Ceres Alves de Araujo

Vivemos tempos, nos quais são frequentes as separações e também as reconstituições nas famílias. Se anteriormente, os pais, cuja conjugalidade já não mais existia, permaneciam juntos em função dos filhos ou pelo menos até o  crescimento deles, hoje isso tende a não mais ocorrer. Permanecer juntos apenas em função dos filhos, não é necessariamente bom, pois viver no velório de um casamento que não mais existe, não faz bem para os filhos.  As crianças em um ambiente tenso e com brigas, manifestas ou veladas, poderão viver um estresse crônico e irão aprender relações mais hostis que amorosas.

Mas, a separação é sempre vivida pelos filhos como trauma pelo menos inicialmente e depois como desconforto, pois dividir-se entre os pais e entre as casas dos pais não é tarefa fácil em nenhum sentido. Porém, cumpre ressaltar que muitas vezes as pessoas se tornam melhores mães e melhores pais, em função de precisarem cuidar pessoalmente dos filhos e por estarem já distantes dos conflitos conjugais.

Cada família e cada pessoa dentro da família reage de uma forma diferente e não existem muitas regras gerais, sendo difícil fazer julgamentos de valor em relação às separações.

A reconstituição do casamento por um ou pelos dois genitores, pode trazer para os filhos, novos e mais amorosos modelos de par, isto é, de pessoas que se gostam, além de padrastos ou madrastas que poderão ajudar na criação deles. Tem-se uma família que pode ser chamada de família mosaico, onde muitos avós também podem se agregar.

Entretanto, por vezes, o primeiro filho é penalizado na situação. Quero aqui falar de um tipo de reconstituição de família, onde após algum tempo da separação do casal, que tinha uma criança, novos casamentos foram feitos e mais dois filhos, um de cada um dos genitores, nasceram.

Com o passar do tempo, tem-se então nessa família, um adolescente e dois meio- irmãos de menos de 5 anos. O adolescente tornou-se uma pessoa impar nessa família e pode sofrer com tal situação.  É difícil mesmo ser pai ou mãe de um adolescente e ao mesmo tempo de uma criança na primeira infância e lembrar que as necessidades dos dois filhos são completamente diversas.

Com alguma frequência, o adolescente fica um pouco negligenciado frente às necessidades próprias da idade e desconsiderado em termos de suas características específicas. Dentre as queixas deles, pode-se citar: o não poder sair e fazer programas com os amigos, pois têm que acompanhar as famílias nos programas específicos delas, alternados; o precisar tomar conta dos irmãos para que o casal possa sair; o não conseguir algum programa só com o pai ou só com a mãe, pois os cônjuges desejam estar sempre juntos e mesmo com a família reunida.

Publicidade - o texto continua abaixo.



   

O adolescente não atendido em suas necessidades básicas ou que se acredita desconsiderado, poderá buscar chamar atenção dos pais por meio de condutas inadequadas, que são altamente eficientes para chamar a atenção. Dentre tais condutas, pode-se nomear: ir mal na escola, mostrar-se desinteressado em relação a tudo, revoltar-se contra os pais e os irmãos, não obedecer ordens, mentir etc.

A reconstituição das famílias, portanto, é altamente desejável, pois a vida precisa continuar com os pais exercendo vários papéis.  Mas, mesmo em prol dos novos papéis, é muito importante levar em consideração as necessidades dos filhos em suas idades específicas.




TAGS :

    separação, como, ficam, filhos

Ceres Alves Araujo

É psicóloga especializada em psicoterapia de crianças e adolescentes. Mestre em psicologia clínica pela PUC-SP, Doutora em Distúrbios da Comunicação Humana pela Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo, professora do Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia Clínica da PUC e autora de vários livros, entre eles 'Pais que educam - Uma aventura inesquecível' Editora Gente.



ENQUETE

Você é feliz no trabalho?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2017
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.