DESTAQUES

Você sabia que uma neurose pode te curar?

Aurea Caetano 04/10/2017 PSICOLOGIA
Você sabia que uma neurose pode te curar?
Fonte: imagem Pixabay
O que seriam “soluções” para as questões que o paciente traz?

por Aurea Caetano

E, dando a saída, o que é uma solução? Segundo o “Aurélio” solução é a resolução de uma dificuldade, de um problema, mas também a operação pela qual um sólido ou um fluido se dissolve num líquido.

Nossos pacientes nos trazem problemas que querem resolver, solucionar. Exemplo: estou insatisfeito com meu trabalho, sinto que estou parado, quero mudar de atividade; quero ter outro tipo de vida. Acontece que muitas vezes o problema trazido está ancorado em uma longa espiral de acontecimentos que foi iniciada há mais tempo que se pode lembrar. E o que pedia uma solução torna-se quase uma escavação no sentido de perceber e discriminar quais as questões internas e externas que levaram o paciente até este momento. Ou então quais as âncoras ou estruturas que fundamentam aquela personalidade e que, portanto, também estruturam e fundamentam aquele problema ou questão tão carregados neste momento.

Então para ajudar nosso paciente a solucionar algo, é importante compreender o que aquele problema representa para aquela pessoa. E, se há alguma saída objetiva possível para ele. O paciente diz que quer ter outro tipo de vida:

O que é que ele quer dizer com isso?

Como é a sensação de paralisação?

O que o impede de mudar de atividade?

A insatisfação é só com o trabalho, as outras áreas da vida estão preservadas?

Qual o sentido de seu trabalho?

Qual a importância do trabalho em sua vida- subsistência apenas, ganho de dinheiro, caminho para a independência, está perto da aposentadoria?

São muitas as questões a serem levantadas, pensadas, olhadas, discutidas, iluminadas na tentativa de ajudar nosso paciente a encontrar a “solução”. E então surge o movimento de dissolução – momento em que algo se dissolve em um meio mais fluído. Momento no qual aquilo que era objetivo, sólido, torna-se mais fluido, subjetivo.

Publicidade - o texto continua abaixo.



Momento no qual muitas vezes se percebe que aquilo que surgiu como um problema a ser solucionado é na verdade “apenas” uma questão na teia da vida daquela pessoa. Alquimistas falam em “solutio”, um dos principais procedimentos da alquimia no qual a matéria é dissolvida e reduzida á “prima matéria”. Temos também na homeopatia a ideia das “diluições” na qual os medicamentos são dinamizados e diluídos para atingir sua maior capacidade de cura.

Metáforas e amplificações que nos ajudam a pensar na proposta da análise junguiana na qual não há certo ou errado e, portanto, não há cura, há um sentido, não uma “liquidação”.

Como disse Jung: “Não se deveria procurar saber como liquidar uma neurose, mas informar-se sobre o que ela significa, o que ensina, qual sua finalidade e sentido. Deveríamos aprender a ser-lhe gratos, caso contrário teremos um desencontro com ela e teremos perdido a oportunidade de conhecer quem somos. Uma neurose estará realmente “liquidada” quando tiver liquidado a falsa atitude do eu. Não é ela que é curada, mas ela que nos cura. A pessoa está doente e a doença é uma tentativa da natureza de curá-la”. (JUNG, C. G. OC Vol 10, par, 361) .




TAGS :

    solução, problemas, terapia, psicologia, junguiana, neurose

Aurea Caetano

É psicóloga formada pela PUC-SP, trabalha em consultório com atendimento de adolescentes, adultos e casais. Mestranda em Psicologia Clínica na PUC-SP, analista junguiana formada pela SBPA- IAAP (Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica).



ENQUETE

Para você, muitas vezes, ficar no estado de solidão pode significar sinônimo de alegria e liberdade?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2017
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.